No trimestre encerrado no mês de julho, a taxa oficial de desemprego no Brasil aumentou para 13,3%. Porcentagem representa 12,8 milhões de trabalhadores e um fechamento de 8,9 milhões de postos de trabalho num período de três meses. Este aumento é decorrente da pandemia do coronavírus.

publicidade
IBGE divulga taxa oficial de desemprego no país; resultado assusta
IBGE divulga taxa oficial de desemprego no país; resultado assusta (Imagem: FDR)
publicidade

Este resultado significa uma alta de 1,1 ponto percentual quando comparado com trimestre anterior encerrado em março (12,2%), e de 1,3 ponto percentual em comparação com o mesmo trimestre do ano passado (12%).

Estes dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua Mensal (PNAD Contínua), divulgada ontem (6) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Este índice representa a maior taxa de desemprego desde o trimestre encerrado em maio de 2017, quando também bateu 13,3%. Esta alta só não foi mais expressiva porque muitas pessoas deixaram de buscar um emprego ou não estava disponível em meio a pandemia.

Principais destaques da pesquisa do IBGE

  • Brasil atinge maior taxa de desemprego dos últimos 3 anos (13,3%)
  • Brasil fechou 8,9 milhões de postos de trabalho em apenas 3 meses. Desse total, 6 milhões eram informais e 2,1 milhões no comércio
  • Ocupação no mercado de trabalho atingiu o menor nível da história
  • Número de desalentados atingiu novo recorde de 5,7 milhões
  • Neste momento, existem mais desempregados do que empregados
  • Queda de 2,9 milhões de empregados com carteira assinada
  • Queda de 2,4 milhões de trabalhadores sem carteira assinada
  • Queda de 2,5 milhões de trabalhadores por conta própria
  • A taxa de informalidade (33,9%) é a menor da série histórica
  • População sendo subutilizada bateu o recorde de 31,9 milhões de pessoas
  • Massa de rendimentos diminuiu 5,6%, representado uma perda de R$ 12 bilhões no volume em circulação na economia

Queda recorde de ocupados no país

O número de pessoas ocupadas no país sofreu uma redução recorde de 9,6% quando comparada ao trimestre finalizado em março. Com isso, o recorde anterior registrado em maio foi superado. No mês de maio, a taxa foi de 8,3%.

Mesmo com esta alta taxa de desocupados, o número de pessoas desempregadas ficou estável quando comparado ao trimestre de janeiro a março (12,9 milhões de pessoas) e também igual ao trimestre do ano anterior (12,8 milhões de pessoas).

Paulo Henrique Oliveira, formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo, atua como do redator do portal FDR produzindo matérias sobre economia em geral e também como repórter do site Aparato do Entretenimento cobrindo o mundo da TV e das artes.