Com a redução da Selic veja qual melhor opção: alugar ou financiar um imóvel!

PONTOS CHAVES

  • Anos atrás era mais vantajoso para os brasileiros alugarem um imóvel e investir o seu dinheiro
  • Hoje, mesmo com a redução da Selic, essa ainda é a melhor opção
  • Isso, pois ao entrar em um financiamento é necessário estar atento a alguns pontos 

Milhões de brasileiros tem o sonho de conquistar a sua casa própria. Com a queda na taxa de juros básica, a Selic, as taxas de financiamento imobiliário também caíram nos últimos anos. 

Com a redução da Selic veja qual melhor opção: alugar ou financiar um imóvel!
Com a redução da Selic veja qual melhor opção: alugar ou financiar um imóvel! (Foto:Google)

No ano de 2015, em que a Selic estava em 14,5% ao ano, a taxa de financiamento imobiliário era de 10% ao ano. 

Atualmente, com a Selic em 2,25%, os cinco maiores bancos do país, Itaú, Santander, Banco do Brasil e Caixa cobram entre 6,99% e 7,30% ao ano. 

No período em que as taxas estavam mais altas, era comum os especialistas falarem que pagar o aluguel era muita mais vantajoso do que fazer um financiamento imobiliário. 

Isso, pois os juros que estavam incidindo sobre o crédito bancário eram altos e pesavam no bolso. 

Apesar de muitas pessoas acharem que o cenário mudou com essa queda dos juros, as compensações são as mesmas. 

A melhor opção continua sendo pagar aluguel e investir o dinheiros, do que entrar em um empréstimo com os bancos. 

De acordo com o planejador financeiro pela Planejar, Carlos Castro, hoje os investidores devem se esforçar muito mais do que no passado para ter uma rentabilidade maior que a Selic.

“Há uns anos atrás, o brasileiro conseguia retornos atrativos fazendo pouco esforço, com a aplicação na renda fixa, por exemplo. Hoje, ele tem que diversificar mais e tomar mais risco. Não pode ter um perfil conservador”, diz Castro. 

Já aqueles que fazem o financiamento imobiliário, devem considerar o chamado custo efetivo total (CET) da operação, que engloba não só os juros nominais do empréstimo, engloba ainda taxas, tarifas administrativas e de crédito, custos de seguros e tributos. 

Os bancos possuem autonomia para cobrar o quanto quiserem, contanto que o CET não ultrapasse o teto de 12% ano em contratos do Sistema Financeiro de Habitação para linhas de crédito corrigidas pela TR. 

Além de levar em consideração o chamado custo de percentual valorização do imóvel. É comum que aqueles que compram casa e apartamento pensem sobre quanto o valor do imóvel pode ser valorizado no futuro. 

Dados do Fipezap apontam que nos últimos seis anos, os imóveis valorizaram cerca de 4% ao ano. Só que a expectativa do mercado era que de 6%

Novas regras de financiamento Caixa

Com a redução da Selic veja qual melhor opção: alugar ou financiar um imóvel!
Com a redução da Selic veja qual melhor opção: alugar ou financiar um imóvel! (Imagem: Reprodução Google)

A Caixa Econômica Federal anunciou a possibilidade de incluir o Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI), e os custos cartorários nos novos contratos devem diminuir a barreira de entrada para os novos financiamento da casa própria.

Mesmo com a medida aumentando o valor do financiamento, ela reduz o valor que o comprador terá que ter em mãos para dar entrada no processo. Isso facilita a compra do imóvel.

O professor do Ibmec-RJ, Gilberto Braga,disse que para fazer um financiamento pelo Caixa, o cliente precisava arcar com: Entrada, equivalente a 20% a 30% do valor total do imóvel.

ITBI

O  Imposto sobre a Transmissão de Bens Imóveis (ITBI) é um tributo municipal, que é  cobrado do comprador em toda transação de compra e venda de imóvel no país. Nos estados de São Paulo e Rio de Janeiro, o ITBI corresponde a 3% do valor venal do imóvel, que é o valor de venda do imóvel.

Alguns bancos já ofertavam essa possibilidade de incluir custos cartorários e ITBI no financiamento, porém como a Caixa é o banco que controla cerca de 70% do mercado de crédito imobiliário,essa medida só será popularizada a partir de agora no mercado.

O banco do  Bradesco oferece há mais de dez anos essa opção de inclusão de custos e ITBI até o limite de 5% do financiamento. 

O Banco do Brasil disponibiliza em seu site informações sobre o financiamento do ITBI e todos os custos de cartório e tarifas de avaliação. 

E por fim o Itaú Unibanco e Santander também já oferecem a possibilidade aos seus clientes.

A inclusão desses custos não vai ter impacto no valor total do financiamento e a parcela não deve ficar muito alta para os compradores dos imóveis.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Há dois anos é redatora do portal FDR, onde acumula bastante experiência em produção de notícias sobre economia popular e finanças.