Salário mínimo de junho deveria ser 4 vezes MAIOR que o atual, diz pesquisa

Segundo o Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), a salário mínimo do brasileiro deveria ser R$ 4.595,60 em junho. O estudo foi feito levando em consideração o preço da cesta básica na cidade de São Paulo.

Salário mínimo de junho deveria ser 4 vezes MAIOR que o atual, diz pesquisa
Salário mínimo de junho deveria ser 4 vezes MAIOR que o atual, diz pesquisa (Foto: Google)
publicidade

Na capital paulista, a cesta básica custava o equivalente a R$ 547,03 no mês de junho, sendo a mais cara do país, atualmente. Vale ressaltar que em maio, a cesta ainda era mais cara e neste mês diminuiu cerca de 1,68%.

É importante lembrar também, que o Dieese faz o cálculo dos preços através de 16 cidades brasileiras. Nesse total, cerca de dez cidades têm mostrado uma redução no valor final das cestas básicas. Desse número, são inclusas 3 capitais do Sul e mais 4 do Sudeste.

Nas demais cidades, o custo tem aumentado se comparado ao mês anterior. Nesse mês, cada pessoa precisa trabalhar 99 horas e 36 minutos para que consiga comprar a cesta básica completa. O estudo também mostra que um trabalhador que ganha um salário mínimo tem mais de 48% comprometido para comprar a cesta.

Salário mínimo

No último dia 12, o presidente Jair Bolsonaro sancionou a lei que estabelece o valor do salário mínimo em R$ 1.045 em 2020.

O anunciou aconteceu em publicação no Diário Oficial da União (DOU), mas vale lembrar que os valores estão autorizados através de medida provisória.

Em 2019, o governo editou a MP 916/2019 que passava o salário mínimo de R$ 998 para R$ 1.039. O valor foi baseado na estimativa para o mercado financeiro. A mudança seguiu a estimativa de 4,8% de acordo com o INPC.

Porém, o INPC fechou mais alto que 4,8% e isso fez salário mínimo tenha ficado abaixo do índice. Com isso, o governo editou a medida 919/2020 e colocou o valor para R$ 1.045.

Até 2019, a lei previa que houvesse uma correção de acordo com a inflação e mais variação do PIB (Produto Interno Bruto). Essa medida funcionou do ano de 2011 até 2019.

A expectativa é que o governo federal apresente novas políticas de correção do salário mínimo para os próximos anos.

 

 

 

 

 

 

Amanda CastroAmanda Castro
Amanda Castro é graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). É responsável pela área de negócios, tráfego e otimização SEO do portal FDR. Além disso, é também redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular, finanças e programas sociais.