Prefeito do Rio de Janeiro divulga novo plano de flexibilização da economia

Nesta quinta-feira (9), o prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, anunciou como acontecerá a nova fase de flexibilização das atividades econômicas na cidade. Além disso, o prefeito ainda disse que as praias só serão liberadas após a criação da vacina contra o coronavírus.

Prefeito do Rio de Janeiro divulga data de liberação do uso das praias
Prefeito do Rio de Janeiro divulga novo plano de flexibilização da economia (Foto: Google)
publicidade

Os banhistas cariocas não podem ignorar essa proibição ou então irão receber multa de R$127 por crime de desobediência.

Na entrevista coletiva, o prefeito afirmou que “Nós esperamos que a vacina chegue bem antes disso [do verão]. Esses locais em que não dá para ficar de máscara tendem a ficar para depois da vacina”, disse.

Porém, a prática de atividades esportivas individuais na areia e no calçadão continua permitida.

Essa medida vai começar a valer a partir deste final de semana. Na terceira etapa de reabertura do comércio, os clientes de bares e restaurantes serão atendidos em suas mesas.

A partir dessa fase, as academias poderão abrir as portas, desde que as regras que são impostas sejam cumpridas corretamente. Entre essas regras, está a obrigatoriedade do uso de máscaras. 

De acordo com o Crivella, essa volta na circulação de pessoas nas ruas não aumentou o número de infectados por transmissão local. Após a reabertura do comércio, as pessoas tem se aglomerado em bares e restaurantes no Rio, o que está criando muita polêmica nas redes sociais. 

O que será permitido no Rio de Janeiro nesta fase 3:

  • Lanchonete, bares e restaurantes seguem funcionando até 23h;
  • Comércio de rua de 11h às 17h, com um terço da capacidade;
  • Shoppings abertos até 22h;
  • Salões de beleza, estética, estúdios de tatuagem e academia;
  • Proibição de aulas de natação;
  • Funcionamento de lotéricas de 8h às 18h;
  • Refeitório das escolas municipais voltam a funcionar, mas aulas seguem suspensas;
  • Feiras de arte e artesanato;
  • Partidas de futebol sem torcida;
  • Praia apenas para práticas esportivas individuais

Hoje, o Rio tem 71,6% de leitos de UTI da rede pública e 89% dos leitos de UTI da rede privada estão ocupados.

“A rede privada é obrigada por decreto a nos informar, por lei, a disponibilidade de vagas. A rede privada tem uma grande velocidade de mobilizar é desmobilizar a oferta de leitos”, segundo Flávio Graça, Superintendente fiscal da Vigilância Sanitária.

Jheniffer FreitasJheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Atualmente, é redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular e finanças.