MEI: Empréstimo oferecido pelo governo libera R$15 mil sem juros

Microempreendedores de São Paulo contarão com nova modalidade de empréstimo. Nessa semana, o Banco do Povo, instituição financeira ligada ao governo paulista, informou que está concedendo um novo programa de crédito para os MEI que estão sofrendo com os impactos econômicos do novo coronavírus. Os beneficiários terão acesso a valores de até R$ 15 mil sem taxas de juros.  

MEI: Empréstimo oferecido pelo governo libera R$15 mil sem juros (Imagem: Reprodução - Google)
MEI: Empréstimo oferecido pelo governo libera R$15 mil sem juros (Imagem: Reprodução – Google)

De acordo com os informes concedidos pelo banco, o programa funcionará com duas linhas de crédito distintas. Dessa forma, o MEI poderá solicitar contratos pagos em até 24 parcelas, tendo como tempo de carência o prazo de três meses após a validação do pedido.  

Na segunda modalidade, será possível conceder financiamentos de até R$ 50 mil. Porém, para essa categoria serão cobrados juros que irão variar entre 0,35% a 0,55% ao mês. No que diz respeito ao tempo de pagamento, o programa permitirá um parcelamento de até 26 meses e o período de carência também será de 90 dias.  

Quem poderá solicitar o novo empréstimo MEI? 

Para poder ser um dos contemplados nas modalidades acima, o MEI precisará ter seu CPF ou CNPJ limpos. Isso significa que não poderá apresentar restrições financeiras. Além disso, é preciso ter um curso online de qualificação para empreendedores oferecido pelo Sebrae-SP. 

É importante ressaltar que, por ser promovido pelo Banco do Povo, o empréstimo só pode ser feito para as empresas registradas dentro do estado de São Paulo.

Estas devem ser enquadradas enquanto categorias jurídicas de microempreendedores individuais (MEI), microempresas, empresas limitadas (LTDA) e empresário individual (Eireli). 

Processo de solicitação  

Para poder ter acesso ao serviço, o MEI deve acessar o site do banco. Na página de empréstimos, precisará escolher a modalidade em que desejará se vincular, fornecer dados de identificação pessoal e empresarial, concordar com os termos presentes no contrato, informar o valor desejado e pontuar os processos de pagamento.  

Feito isso, a instituição repassará um contato de um de seus gerentes para que a ação seja concluída por meio da assinatura de um contrato presencial. Na sequência, basta esperar o tempo de aceitação e começar a utilizar a quantia.  

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestra em ciências da linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo na mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.