publicidade

Visando expandir sua área de atuação e proporcionar novas dinâmicas para seus clientes, o Bradesco estará injetando R$ 2 bilhões nas ações do C6 Bank. A fintech é referência nacional em tecnologias bancárias e está em processo de venda. De acordo com o jornal O Globo, a negociação está sendo realizada ao longo das últimas semanas e deverá ser finalizada em breve.  

Bradesco deve anunciar compra de parte do C6 Bank nos próximos dias (Imagem: Reprodução - Google)
Bradesco deve anunciar compra de parte do C6 Bank nos próximos dias (Imagem: Reprodução – Google)
publicidade

Fundado por Marcelo Kalim, o C6 Bank atua com serviços bancários exclusivamente por aplicativo. Na plataforma, os clientes conseguem fazer transferências, compras na função de crédito ou débito, livres das burocracias das grandes instituições financeiras.

Por meio dela, o usuário não precisa pagar taxas de serviços ou juros e consegue realizar investimentos compatíveis com as ações do mercado.  

A decisão do Bradesco de comprar parte das ações do C6 Bank tem como finalidade amplificar seus serviços digitais. Apesar de ser uma marca tradicional, sua administração afirma estar conectada com as mudanças mercadológicas, visando renovar cada vez mais seus produtos.  

Desse modo, com a parceria fechada, ambas as marcas passarão a fornecer plataformas e serviços que unam o melhor dois mundos: rapidez, eficácia, praticidade, segurança e credibilidade. Até o momento, o Bradesco ainda não informou os planos para seus futuros negócios, mas antecipou que revolucionará o mercado.  

Sobre o C6 Bank 

fintech foi criada em 2019 e atualmente contem cerca de 2 milhões de contas abertas. Seu investimento inicial foi de R$ 700 milhões, sendo esse repassados entre 1,4 milhões de clientes físicos.  

Mediante a pandemia do novo coronavírus, conseguiu registrar um crescimento de 100%, segundo dados do Brazil Digital Report 2020”. Isso acontece porque, por funcionar de forma inteiramente digital, livrou os usuários de se descolarem até instituições bancárias.  

Seu último lançamento foi o programa de acúmulo de pontos, permitindo com que os usuários de cartão de crédito se isentassem de suas anuidades mediante o quantitativo registrado mensalmente.  

O programa determina que: clientes com despesas mensais entre R$ 4 mil e R$ 8 mil na função crédito tem direito a 50% de desconto na parcela da anuidade. Quem gasta mais de R$ 8 mil por mês terá direito à isenção dessa taxa. Sua aplicação começará a ser feita a partir de setembro.  

Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco e formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguagens. No mercado de trabalho, já passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de ter assessorado marcas nacionais como a Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.