Com FGTS rendendo mais que a poupança, ainda vale a pena sacar? Entenda!

Modificações nas taxas de juros elevam a rentabilidade do FGTS, fazendo com que muitos trabalhadores fiquem em dúvida se vale apena aderir ao saque emergencial. Nessa semana, a Caixa Econômica começou a fazer as liberações do fundo de emergência. O benefício, desenvolvido como contenção de crise econômica do novo coronavírus, permite que o cidadão retire R$ 1.045 de suas contas. No entanto, especialistas afirmam que manter o valor no programa pode ser mais benéfico. 

Com FGTS rendendo mais que a poupança, ainda vale a pena sacar? Entenda! (Imagem: Reprodução - Google)
Com FGTS rendendo mais que a poupança, ainda vale a pena sacar? Entenda! (Imagem: Reprodução – Google)

Um dos principais motivos para que o rendimento do FGTS se torne maior do que a poupança são as variações na taxa de juros básicos, a Selic. Atualmente, a tarifa está em 2,25%, fazendo com que os valores do fundo de garantia tenham mais peso em comparação com as demais aplicações do mercado.  

Economistas afirmam que, apesar de ainda não poder cravar a rentabilidade do FGTS em 2020, as estimativas mostram um aumento de 50% para 100% em seu repasse de lucro. Desse modo, os trabalhadores conseguem ter acesso ao investimento de forma parcial, tendo o percentual repartido em suas contas.  

Caso haja um processo retroativo e a rentabilidade volte a ser de 50%, o FGTS 2020 ficará em aproximadamente 4,5%.  

Vale a pena manter o FGTS? 

Diante desse cenário, especialistas afirmam que as aplicações do fundo de garantia são as melhores oportunidades atualmente no mercado.  

“É um investimento seguro, como se você aplicasse Tesouro Selic, rodando a 3% ao ano, isento. Hoje o Tesouro Selic paga 2,25% e ainda tem o Imposto de Renda, que o FGTS não tem. E o risco dos dois é igual, que é o risco do governo”, diz o professor de finanças do Insper, Michael Viriato.  

Ele explica ainda que, caso a Selic volte a subir, as vantagens em cima do fundo serão reduzidas. Desse modo, é importante ainda ficar atento a títulos de longo prazo, como o tesouro nacional, que tem como base não só os juros atuais como a expectativa durante todo o período de investimento.  

“Ao comparar com títulos de baixo risco, como poupança e Tesouro Selic, aí o FGTS vai pagar mais. Mas ao comparar com títulos de prazos mais longos, você provavelmente vai ganhar mais saindo do FGTS, mas esses investimentos são mais arriscados e podem gerar perdas se forem vendidos antes do vencimento”, diz Viriato. 

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestra em ciências da linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo na mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.