Shoppings reabrem em SP, mas lojistas têm que lidar com queda brusca nas vendas

Reabertura dos shoppings na grande São Paulo preocupa os comerciantes. Após um período de quase três meses com as portas fechadas, os centros de compra deram início ao seu processo de retomada. 

publicidade
Shoppings reabrem em SP, mas lojistas têm que lidar com queda brusca nas vendas (Imagem: Reprodução - Google)
Shoppings reabrem em SP, mas lojistas têm que lidar com queda brusca nas vendas (Imagem: Reprodução – Google)

Desde o dia 11 de junho, as lojas voltaram a funcionar sob um regime de higienização especial, mas ainda assim apresentam uma queda de venda de até 80%. Mediante a este cenário, os lojistas começam a buscar outras alternativas para garantir o lucro.  

De acordo com um levantamento feito pela Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop), entre os dias 24 e 26 de junho, houve uma queda de faturamento de aproximadamente 90% para 32% nos shoppings de São Paulo. Atualmente, o índice de vendas varia entre 24% e 41%, sem apresentar previsão de melhorias.  

publicidade

Regras de funcionamento nos shoppings

Para que as portas fossem reabertas, os centros de compra precisaram aplicar uma série de medidas de restrição. Serviços como praças de alimentação, cinemas, salões de estética, entre outros, ainda seguem sem poder funcionar, fazendo com que o fluxo de pessoas fique menor.  

Além disso, os horários de venda estão reduzidos. Para as lojas dos malls, as atividades podem ocorrer entre 6h às 10h ou de 16h às 20h. Já para os comércios de rua, o funcionamento ocorre entre 11h e 15h.  

Reajustes de horários e diminuição de serviços 

De acordo com Nabil Sahyoun, presidente da Alshop, a diminuição dos horários e proibições de determinadas atividades fazem com que as quedas de venda sejam maiores, uma vez em que o shopping fica menos atraente para o consumidor. Para ele, a compra dentro dos espaços privados são a opção mais segura, considerando todos os protocolos aplicados.  

O shopping está debilitado, com horário restrito e outros serviços que não funcionam. Se continuar com prejuízo, muito lojista vai pular fora. Existe estacionamento, álcool em gel na entrada, sinalização no piso, separação nos caixas, etc”, diz. 

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

Com o atual funcionamento de 8h, a Alshop mostra que os lojistas estão vendendo de 35% a 40% em comparação com o ano passado. No caso daquelas que funcionam por apenas 4h, o faturamento é de apenas 15% a 20%.  

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!