publicidade

Durante a crise de Covid-19, diversas medidas têm surgido para minimizar os impactos financeiros trazidos aos brasileiros. Pensando nisso, o Banco Central (BC) vai permitir que os brasileiros usem o financiamento imobiliário como garantia para a obtenção de mais um empréstimo bancário.

BC estuda liberar empréstimo bancário por meio do refinanciamento da casa própria
BC estuda liberar empréstimo bancário por meio do refinanciamento da casa própria (Foto: Google)
publicidade

Em resumo, a ideia é que os cidadãos possam financiar as parcelas já pagas aos bancos e assim possam conseguir mais crédito.

“Quem tem um imóvel e já pagou parte desse imóvel vai conseguir pegar parte do que já foi pago de volta”, anunciou o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto.

O anúncio ocorreu no último dia 23, terça-feira, e tem como intuito facilitar o acesso ao crédito para os brasileiros. Nesse período de pandemia, tem sido difícil conseguir qualquer tipo de empréstimo e ajuda financeira.

Basicamente, o crédito vai funcionar da seguinte maneira: o indivíduo financiou um imóvel no valor de R$ 200 mil e já quitou R$ 150 mil do total, nesse caso, ele poderá refinanciar o valor já pago e pode utilizar da maneira que preferir. Vale ressaltar que as taxas de juros serão as mesmas utilizadas no financiamento do imóvel.

Campos Neto explicou que refinanciar o valor do imóvel vai sair mais barato em relação a solicitação de um novo empréstimo. Segundo ele, um empréstimo pessoal tem taxas médias de até 250% ao ano hoje em dia. Já os financiamentos costumam ter juros muito menores, normalmente de 9% a 9,5% ao ano.

Para ficar mais simples, é como se o consumidor pedisse de volta o dinheiro que já pagou pelo bem comprado.

“Você vai ter a oportunidade de ir ao banco e dizer que, dos R$ 400 mil que já pagou, quer pegar R$ 200 mil de volta, como se estivesse repactuando o contrato. E nossa regra faz com que a taxa tenha que ser a mesma. Vale a mesma garantia e a mesma taxa. Então, a diferença é entre pegar um empréstimo de 250% ou de 9% ao ano”, explicou Neto durante o anúncio.

O Banco Central acredita que após essa medida, serão liberados cerca de R$ 60 bilhões em crédito aos brasileiros. Porém, a medida ainda não foi regulamentada pelo governo e por isso é preciso aguardar novas informações.

 

 

 

COMENTÁRIOS