publicidade

Com a grande instabilidade que vivemos neste ano, muitos investidores procuram por investimentos que sejam tanto rentáveis como seguros. Uma alternativa são com certeza os títulos públicos, o famoso Tesouro Direto.

tesouro direto
Tesouro Direto: guia COMPLETO para começar a investir em títulos públicos (Imagem: Reprodução Google)
publicidade

Além do menor risco do mercado, a plataforma do Tesouro ainda conta com diversos tipos de títulos para as mais variadas necessidades e cenários.

Confira como começar a investir no tesouro e também como funciona cada títulos presente na plataforma.

O primeiro passo para começar a investir é escolher uma corretora, sem ela não é possível investir nos títulos públicos e em muitos outros.

Escolhendo uma corretora para títulos públicos

Como se trata de um título muito acessível e de renda fixa, a grande maioria das corretoras não irão te cobrar taxas ou tarifas de corretagem.

Além de uma corretora gratuita, também é importante buscar pelas opções mais seguras e confiáveis.

Confira antes de abrir uma conta, o que os clientes daquela corretora dizem sobre os serviços. Algumas empresas acabam ficam muitas vezes fora do ar ou com a plataforma de negociação indisponível.

Como escolher os melhores títulos no Tesouro Direto?

Todos os dias é possível encontrar quais são os papéis disponíveis e as taxas de remuneração aplicadas. É importante lembrar que esses valores investidos se alteram todos os dias de acordo com os movimentos do mercado.

Para conferir os títulos que podem ser comprados hoje, basta acessar a página oficial do Tesouro Direto, clicando aqui.

Como vai perceber existem alguns títulos disponíveis, com taxas e vencimentos diferentes. Para entende qual é o mais indicado para o seu investimento é preciso saber como eles funcionam.

Existem três tipos principais de investimentos no Tesouro Direto:

  1. TESOURO PREFIXADO: Como o nome já diz, nesse título os juros são constantes até o vencimento e já são acertados na contratação.
  2. TESOURO SELIC: Este é o único título pós-fixado da plataforma, rende diariamente conforme a variação da taxa Selic, a taxa básica de juros no Brasil.
  3. TESOURO IPCA+: Este tipo de título paga uma taxa pré-fixada mais a inflação no período, é o  mais indicado para quem espera queda nos juros ou um aumento na inflação.

É importante lembrar que embora os títulos informem um vencimento na plataforma, isso não quer dizer que não podem ser resgatados antes disso.

Todos os títulos negociados na plataforma do Tesouro Direto podem ser resgatados a qualquer momento e caem na conta do investidor em  até 1 dia útil.

Porém ao solicitar um resgate antecipado, a rentabilidade dos títulos será alterada, em alguns casos para mais e em outro casos pode até gerar um prejuízo.

Títulos do Tesouro Direto que gerar prejuízos

Os títulos pré-fixados e ipca+ pode apresentar um resultado negativo quando são resgatados antes do vencimento.

Isso acontece pois os títulos resgatados são colocados novamente no mercado, e em casos de uma taxa muito ruim recebem uma precificação abaixo do que o investidor pagou.

Imagine que você investiu em título pré-fixado que pague 3% ao ano, caso precise resgatar o investimento e as taxas praticadas no dia resgate sejam 6% ano.

Quando solicita o resgate antecipado o tesouro realiza a precificação do papel pelo mercado, o que significa que ele perderá muito valor neste caso específico.

A boas notícia é que o contrário também pode acontecer, caso fosse o contrário, quisesse resgatar um títulos de 6% ao ano enquanto os outros pagam somente 3%, o seu títulos será vendido por um valor muito maior.

Para simplificar lembre-se que os títulos pré-fixados e de inflação “jogam contra” os juros, ou seja, se a Selic cai, eles serão favorecidos.

O mais estável dos títulos é o Selic, que mesmo com resgates antecipados não apresenta riscos de prejuízos, por isso esse é o títulos público mais indicado para sua reserva de emergência.

Sandro Campos possui bacharelado em Ciências e Humanidades e Ciências Econômicas pela Universidade Federal do ABC (UFABC). No mercado de trabalho, tem passagem pelo Banco Mercantil do Brasil, como gerente de relacionamento. Atuou também como assessor de investimentos no Itaú Personnalité e na XP Investimentos. Atualmente, trabalha como Consultor Financeiro e dedica-se à redação do portal FDR.