Previdência social ou privada? Após tanto se falar sobre reformas e novas regras na previdência, muitos podem se questionar se já vale a pena migrar para um plano privado de aposentadoria.

publicidade
Previdência social ou privada? Entenda os tipos de aposentadoria e escolha a melhor para você!
Previdência social ou privada? Entenda os tipos de aposentadoria e escolha a melhor para você! (Imagem: Reprodução Google)
publicidade

Escolher entre os planos de previdência social, privado ou ambos não é uma tarefa tão difícil. Para isso é preciso entender as regras de cada modalidade e escolher a melhor opção para você.

É possível que você já contribua com a Previdência Social se é um trabalhador CLT ou um Microempreendedor Individual (MEI). Como a contribuição com INSS é obrigatória, o que deve ser colocado na balança é se vale a pena contribuir com um plano completar de maneira privada.

Mesmo com as últimas reformas, a previdência social ainda apresenta várias vantagens principalmente para quem ainda não consegue fazer grandes aportes para a aposentadoria.
Confira as principais vantagens de manter a sua contribuição na previdência social.

Contribuição acessível, a partir de R$ 52,25

Contribuintes têm benefícios como auxílio doença e aposentadoria por invalidez. Dependentes têm direito à pensão em caso de morte do contribuinte. Esse tipo de benefício também é oferecido nas previdências privadas, mas a partir de contribuições muito maiores que os R$ 52,25.

Mesmo para os trabalhadores autônomos ou MEIs vale muito apena manter a contribuição com o INSS, mesmo que com os aportes mínimos. Desta maneira é possível garantir uma maior segurança ao empreendedor e sua família.

Por outro lado para quem planeja garantir uma aposentadoria mais tranquila e pode realizar contribuições maiores, pode fazer mais sentido contratar um plano complementar privado.

Principais diferenças entre previdência social e privada

A previdência social atualmente é de regime comum, ou seja, os fundos recolhidos entre todos os trabalhadores são usados de maneira coletiva para financiar os benefícios de quem não está mais trabalhando.

Desta maneira, a previdência social tem o objetivo de garantir a segurança social do maior número de pessoas possível. Embora não garanta um salário ideal na aposentadoria, concede uma séria de benefícios importantes em casos de invalidez, doenças ou até morte.

Já as previdências privadas têm um regime individual, ou seja, os fundos recolhidos dos trabalhadores são destinados a cada um separadamente. Desta maneira, cada contribuinte tem acesso aos fundos que recolheu acrescidos de juros.

É ideal para os trabalhadores e empresários que têm condições de realizar aportes maiores do que o do INSS.

Por separar os recursos de cada contribuinte, quem contrata uma previdência privada está em busca de um salário maior do que o disponibilizado pela previdência social. Como o tempo entre a contratação e a aposentadoria é muito longo, as previdências privadas podem investir os recursos recolhidos para aumentar ainda mais a renda do contribuinte na hora de aposentar.

Mesmo com contribuições um pouco maiores do que do INSS, as previdências privadas também possuem planos mais acessíveis para quem deseja aumentar um pouco a aposentadoria que planeja receber do INSS.

Alguns benefícios das previdências privadas são:

  • Regras claras na contratação;
  • Separação dos fundos entre os contribuintes;
  • Taxas de juros melhores;
  • Maior rendimento dos fundos no longo praza;
  • Possibilidade de reduções no imposto de renda.

Uma vantagem adicional para quem faz a declaração completa de IR, é a possibilidade de deduzir as contribuições em um plano de previdência da sua renda tributável. Nesses casos é possível reduzir até 12% da sua renda anual fazendo aportes em planos do tipo PGBL.

Fazendo isso é possível guardar recursos para aposentadoria e ainda receber uma restituição maior do imposto de renda no final do ano.

Como escolher entre a previdência social e privada?

O que deve ser levado em conta é a obrigatoriedade de contribuição com a previdência social. Além dos trabalhadores registrados, os autônomos e MEIs também devem fazer suas contribuições mensais com base nas regras dos INSS.

Deixar de fazer suas contribuições sociais faz com que deixe de ter direito aos benefícios como auxílio doença, aposentadoria por invalidez e pensão por morte para seus dependentes.

Agora se mesmo com as contribuições sociais você tiver interesse em melhorar sua renda ao se aposentar, o ideal é buscar um previdência privada para realizar esse complemento.

Sandro Messa possui bacharelado em Ciências e Humanidades e Ciências Econômicas pela Universidade Federal do ABC (UFABC). No mercado de trabalho, tem passagem pelo Banco Mercantil do Brasil, como gerente de relacionamento. Atuou também como assessor de investimentos no Itaú Personnalité e na XP Investimentos. Atualmente, trabalha como Consultor Financeiro e dedica-se à redação do portal FDR.