Fraudes usando CPF de inocentes cresce mais de 160%; saiba como se proteger!

Número de fraudes por meio da utilização de documentos cresce no Brasil. Com a necessidade da realização de compras online, por causa do isolamento social determinado pelo novo coronavírus, as estatísticas de golpe utilizando o CPF de terceiros cresceram em mais de 166%. O levantamento foi feito por meio da empresa de proteção de identidade, Acesso Digital, levando em consideração os cadastros realizados nos portais de grandes marcas. 

Fraudes usando CPF de inocentes cresce mais de 160%; saiba como se proteger! (Imagem: Reprodução - Google)
Fraudes usando CPF de inocentes cresce mais de 160%; saiba como se proteger! (Imagem: Reprodução – Google)

Para desenvolver o estudo, a empresa avaliou mais de 20 milhões de cadastros realizados apenas neste ano. Pode-se identificar que, com a quarentena, as compras virtuais cresceram em aproximadamente 30% e com isso o roubo de dados foi amplificado.  

Entre janeiro e abril, a empresa encontrou mais de 80 mil tentativas de fraude, o que representa um prejuízo financeiro de aproximadamente R$ 172 milhões. Os horários com o maior índice de tentativas são entre às 14h e às 15h, nas terças e quartas-feiras. Foram registradas uma fraude a cada 2 minutos e 4 segundos.  

Como proteger seu CPF

A empresa explica que para evitar cair no golpe das quadrilhas, a primeira coisa a se fazer é evitar deixar salvo os números de documentos e cartões. Além disso, ao abrir registros em sites de compras, recomenda-se que os cadastros não fiquem com as senhas salvas automaticamente.  

Bárbara Simão, advogada especialista em direitos digitais do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), explica que a regra é sempre desconfiar do comprador e ficar atento aos dados solicitados. 

— O cliente não é obrigado de maneira alguma a fornecer seu CPF em compras físicas. Se for necessário, é melhor escrevê-lo ou digitá-lo do que dizer em voz alta. Em compras on-line nas quais o CPF é exigido, cheque se o site é confiável, se a conexão é segura e se há reclamações — aconselha. 

Golpe no pagamento do auxílio  

Além das compras digitais, os golpes também são aplicados para quem vai receber o auxílio emergencial. Muitas quadrilhas estão criando sites fakes, similar ao portal do governo, solicitando que os usuários informem seus registros. Ao confirmar os dados, o cidadão, sem consentimento, autoriza que o gerenciador do site consiga salvar todos os seus documentos.  

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.