Ter o “nome sujo” é uma situação muito desagradável para qualquer pessoa. Afinal, quando um consumidor atrasa uma dívida, as empresas credoras podem informar as entidades de proteção ao crédito, como a Serasa ou a Boa Vista SCPC (Serviço Central de Proteção ao Crédito). Isso acaba tirando o poder de compra desse consumidor.

publicidade
Veja como regularizar suas dívidas e se livrar do "nome sujo"
Veja como regularizar suas dívidas e se livrar do “nome sujo” (Reprodução: Google)
publicidade

É preciso saber que as empresas pode enviar a informação da dívida seguinte ao vencimento da conta. Na maioria das vezes, o consumidor acaba recebendo uma carta de aviso, antes que seu nome entre nos órgãos de proteção ao crédito.

Mas como regularizar essas questões e limpar o nome? Veja:

O primeiro passo é identificar quais são as dívidas que você possui. Para isso, é possível efetuar a consulta de forma online. No SPC, o consumidor pode verificar sua situação pelo site. No Serasa, também é possível fazer isso através do site, e existe a opção de atendimento presencial ou por telefone.

Após identificar quais são suas dívidas é hora de procurar uma renegociação. A forma de fazer isso vai depender do tipo de débito que você possui.

Carnê de lojas – no caso das lojas em geral, é possível iniciar uma renegociação com o próprio estabelecimento. Mas isso só é possível se a dívida for recente. Muitas vezes, débitos mais antigos são passados para alguma financeira que assume a cobrança e se esse for o caso, a renegociação deve ser feita com eles.

Cartões de crédito – os cartões de crédito seguem a mesma lógica dos estabelecimentos comuns. É possível conseguir uma renegociação diretamente com os bancos. Você pode ir até uma agência ou solicitar um atendimento pelo telefone com o banco credor.

Protesto – caso você tenha um protesto em seu nome, é preciso procurar o cartório indicado na dívida e solicitar uma regularização. Você pagará o valor devido e mais as taxas de cartório. Com o pagamento, seu nome é liberado rapidamente.

Ação judicial – para suspender o processo, o devedor deve procurar o credor ou a empresa para renegociar o pagamento da dívida.

Empréstimo com financeira – esse caso é tratado da mesma forma que em bancos. Deve-se procurar a empresa credora e solicitar uma renegociação.

Lembrete: muitas vezes, nos sites dos serviços de proteção ao crédito, já existem as opções de renegociação.

Amanda Castro é graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). É responsável pela área de negócios, tráfego e otimização SEO do portal FDR. Além disso, é também redatora do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular, finanças e programas sociais.