Veja Também | FDR.TV


 

Durante a pandemia, quando o consumo e utilização de meios digitais está maior, o número de golpes também cresce. Golpistas utilizam dos assuntos mais recorrentes do momento, como auxílio emergencial e recebimentos do INSS para roubar dados.

ATENÇÃO! Beneficiários do INSS são alvos deste golpe na pandemia (Reprodução/Internet)
ATENÇÃO! Beneficiários do INSS são alvos deste golpe na pandemia (Reprodução/Internet)
publicidade

Neste sentido, alerta foi emitido pela Secretaria de Previdência, do Ministério da Economia, no qual detalha que fraudadores estão se passando por representantes do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) para coletar dados dos beneficiários.

Os golpes são dados oferecendo supostos benefícios com o intuito de extorquir beneficiários, sendo eles realizados através do telefone, carta ou até mesmo e-mail. Os meios que os golpistas utilizam são diversos .

A secretaria destacou que existem fraudes que são mais comuns, como as de que entram em contato com os segurados através do telefone informando que são integrantes do Conselho Nacional de Previdência (CNP).

A abordagem é realizada solicitando o determinado depósito para que haja a liberação de um valor extra, considerado atrasado. A justificativa é que esta seria a taxa necessária para a liberação do dinheiro.

Órgão destaca que sob nenhuma hipótese, membros de conselhos ligados ao INSS entram em contato com segurados. Além disto, ao receber estas ligações é importante desligar e reportar.

Outro caso de fraude é quando são enviados documentos aos segurados se passando por uma “auditoria geral Previdenciária”, no qual é falsa. Nela, o texto detalha que há uma convocação para um resgate.

Ainda foram destacados diversos casos, por exemplo, quando golpistas dizem que os beneficiários devem realizar uma revisão no valor dos benefícios concedidos durante a época do governo Collor.

Mas todas as ações detalhadas são falsas. A Secretaria de Previdência reforçou que não solicita dados pessoais dos seus segurados por e-mail ou telefone. Por isto, orientação é não fornecer nenhum dado.

A secretaria também orienta os segurados a não fornecer seus dados pessoais a terceiros, nem realizar depósitos sobre nenhuma hipótese. Com isto, será preservada a segurança de todos e não haverá prejuízos.

COMENTÁRIOS

Juan Gouveia, formado em jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). É redator do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular, direitos trabalhistas e finanças diariamente.