Folha salarial poderá ser financiada pelo governo NESTAS condições

No final de março, o presidente Jair Bolsonaro anunciou um pacote de medidas para a manutenção de empregos no país, como forma de diminuir os impactos causados pelo coronavírus. Permitindo a diminuição da folha salarial dos contratados, e redução da jornada de trabalho. 

Folha salarial poderão ser financiadas pelo governo NESTAS condições
Folha salarial poderá ser financiadas pelo governo NESTAS condições (Foto:Google)

Foi criada uma linha de financiamento de salários, que em contra partida, impedia que as empresas demitissem seus funcionários. Mas, o crédito só desembolsou R$1,5 bilhão dos R$40 bilhões que estavam previstos para saírem dos cofres públicos.

Mas agora, o governo decidiu reduzir essas exigências para as empresas que pegarem empréstimos para pagar salários na linha de financiamento, que usa 85% de recursos públicos.

Na última quinta-feira (14), o secretário do Tesouro Nacional, Manuseto Almeida, comentou em audiência virtual do Congresso Nacional, que o programa está passando por uma revisão. Isso, pois as empresas não estão contratando o financiamento já que acreditam que poderão ter de demitir seus funcionários. 

Segundo o relator a medida, deputado Zé Vitor (PL-MG), estão sendo realizadas negociações com o governo para flexibilizar a exigência de manter os empregos, aumentar o prazo da medida e do faturamento das empresas contempladas, assim como reduzir o custo do crédito

Uma ideia do deputado que está em discussão é permitir que as empresas peguem empréstimo para fazer o pagamento de parte da folha salarial de seus funcionários.

Isso dá a entender que há a exigência de que o recurso emprestado corresponda à totalidade da folha do contratante, para financiar dois meses de salários. Com isso, o empresário teria que manter, por mais dois meses, 100% dos contratos.

Sendo assim, a intenção é diminuir essa exigência e permitir que a empresa pegue empréstimo para bancar o salário de uma parte de seus funcionários.

O prazo deve ser estendido, passando de dois para três meses, mas o prazo de estabilidade será mantido apenas por 60 dias após o último pagamento.

Foi confirmado pelo deputado o estudo para ampliar o faturamento máximo das empresas beneficiadas de R$ 10 milhões para R$ 50 milhões. 

Uma negociação de redução na taxa de juros esta sendo realizada com o governo, se aprovada vai sair de  3,7% ao ano, patamar em que a taxa básica de juros estava no anúncio da medida, e vai para 3% ao ano que é o nível atual.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Jheniffer Freitas
Jheniffer Aparecida Corrêa Freitas é formada em Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes. Atuou como assessora de imprensa da Secretaria de Segurança Pública do Estado de São Paulo e da Secretarial Estadual da Saúde de São Paulo. Há dois anos é redatora do portal FDR, onde acumula bastante experiência em produção de notícias sobre economia popular e finanças.