publicidade

Na última quinta-feira (7), a Petrobras realizou um aumento nos preços da gasolina. Ainda assim, mesmo com o reajuste de 12% o valor ainda não é sentido de forma super negativa no bolso dos brasileiros.

Petrobras reduz valor dos combustíveis, mas por ESTES motivos você não sente a diferença! (Reprodução/Internet)
Petrobras reduz valor dos combustíveis, mas por ESTES motivos você não sente a diferença! (Reprodução/Internet)
publicidade

Com o aumento, o presidente Jair Bolsonaro questionou a atitude da estatal de realizar o procedimento neste período. Mas, em contrapartida à decisão, de acordo com os especialistas, a gasolina vendida nas refinarias da Petrobras está em torno de 30% abaixo das cotações internacionais.

De acordo com análises publicadas pelo O GLOBO, o petróleo tem uma nova reação de acordo com movimentos do mercado. Neste sentido, dólar e crise provocada pelo coronavírus podem ressaltar operações.

Especialistas detalham que mercado de petróleo funciona olhando o futuro. Há a expectativa de abertura da economia nos EUA e na Europa. E um dos produtos a aumentar o consumo são os combustíveis.

Em abril, o preço da gasolina registrou queda de 9,31% no Brasil, segundo o IBGE, provocando uma deflação de 0,31% no IPCA. Mas, segundo Pires, o movimento pode mudar a partir de maio.

Ele acredita que a cotação do petróleo vai continuar acima de US$ 30 o barril, forçando a Petrobras a anunciar novos reajustes na gasolina e também no diesel.

Em comparação ao cenário internacional, o preço da gasolina no Brasil ainda está mais baixo, mesmo com o aumento de 12%. Quando observado outros países, o aumento configurou em torno de 25% a 30%.

Mas a decisão foi tomada de não elevar de forma alta, seguindo os padrões internacionais, por causa da atual crise econômica e forte queda no consumo por conta da quarentena. Valores devem permanecer o mesmo até novo reajuste previsto para próxima semana.

A gasolina teve crescentes reduções nas refinarias. Em números gerais, o acumulo foi de 46,6% reduções. Neste sentido, o custo médio do litro da gasolina é de R$ 1,02 nas refinarias, sendo considerado o menor valor desde setembro de 2005.

O preço do dólar também foi um dos principais motivos para que o reajuste fosse feito – no total de 12%. Ultimo reajuste da gasolina nas refinarias, feito em fevereiro, a moeda americana pulou de R$ 4,39 para R$ 5,70 – na última semana.

Com a expectativa da retomada da economia com a abertura gradual na Europa e nos Estados Unidos, o preço do petróleo se recuperou, superando os US$ 30. Anteriormente a cotação do Brent chegou a US$ 19,33, no início da declaração da pandemia.

Mesmo que feito todos os reajustes o preço ainda não é muito sentido nas bombas, na hora em que o cliente realiza o abastecimento. Uma das explicações é que há um estoque anterior, o que faz que não realizem novas compras com o valor reajustado.

Questões estão sendo verificadas no sentido de que outros pontos também influenciam o valor que chega nas bombas. A exemplo do frete cobrado para transportar o produto da refinaria até os postos, além da margem de lucro da empresa.

COMENTÁRIOS

Juan Gouveia, formado em jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). É redator do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular, direitos trabalhistas e finanças diariamente.