Veja Também | FDR.TV


 

No meio digital é muito comum que pessoas de má fé utilizam-se de momentos e situações adversas para aplicar golpes na população. Durante a pandemia, o número destas ações tem aumentado. Observando este cenário, novo golpe está sendo aplicado para os brasileiros que estão em busca de uma possível antecipação do saque de R$ 1.045 do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS).

Atenção! Golpistas usam FGTS para aplicar ESTE golpe no mercado (Reprodução/Internet)
Atenção! Golpistas usam FGTS para aplicar ESTE golpe no mercado (Reprodução/Internet)
publicidade

Realmente existe essa possibilidade de adiantar o FGTS, mas apenas para quem aderiu à modalidade saque aniversário. O sistema, nesse caso, é muito parecido com a antecipação da restituição do IRPF.

No entanto, alguns golpistas usaram desta informação para compartilhar mensagens pedindo um cadastro para liberar o valor de R$1.045, uma nova opção de saque prometida. O procedimento é ilegal e é feito para realizar a coleta de dados.

Ação criminosa foi identificada pelo dfndr lab, laboratório especializado em segurança digital da PSafe. De acordo com eles, são solicitados dados pessoais.

E para garantir o recebimento o usuário deveria compartilhar um link com todos os contatos de sua lista telefônica, fazendo assim uma propagação do golpe para novas vítimas.

Vale lembrar que já existe uma medida provisória que garante aos trabalhadores a liberação de R$1.045 do FGTS, a fim de mitigar os efeitos sociais e econômicos da pandemia do coronavírus no país.

Mas o repasse só está garantido para acontecer em junho. Com o golpe, por sua vez, o período é diferente. Pois garante que o preenchimento das informações possibilita a inclusão numa lista de antecipação.

A dinâmica do golpe funciona com o link malicioso. Quando o cidadão coloca os dados, os mesmo são vazados, além de oferecer um perigo maior como a utilização destas informações para assinatura de serviços online e até para abrir contas em bancos.

De acordo com especialista, outro fator de grande risco é quando a vítima compartilha o link malicioso com seus contatos. Sendo assim, ela será uma divulgadora do mesmo golpe.

A mesma dinâmica já foi observada em outras situações como para a realização de cadastro no programa de Auxílio Emergencial do Governo. Ele destaca que é necessário ficar atento aos links e não confiar em conteúdos compartilhados no whatsapp.

COMENTÁRIOS

Juan Gouveia, formado em jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP). É redator do portal FDR, produzindo pautas sobre economia popular, direitos trabalhistas e finanças diariamente.