Vale a pena comprar viagens promocionais lançados durante a pandemia?

A pandemia do novo coronavírus fez com que os planos de viagens de muitas pessoas fossem adiados. E é justamente neste momento que estão surgindo promoções imperdíveis de pacotes e passagens aéreas para 2021. Mas será que vale a pena investir em uma viagem em momentos de incertezas?

Vale a pena comprar viagens nos pacotes promocionais lançados durante a pandemia?
Vale a pena comprar viagens nos pacotes promocionais lançados durante a pandemia? (imagem: FDR)

A pandemia causou a maior crise do turismo em todos os tempos. É estimado que o setor amargue uma perda de um trilhão de dólares.

Querendo atrair possíveis clientes, nos últimos dias, as agências de turismo e companhias aéreas têm oferecido promoções tentadoras, com valores muito abaixo do normal.

Por causa das medidas restritivas como isolamento social e a quarenta tomadas ao redor do mundo, os pacotes oferecidos estão marcados a partir do segundo semestre deste ano até o fim de 2021.

Para Rodrigo Góes, especialista do projeto Fábrica de Milhas, já era esperado que as empresas oferecerem grandes promoções, já que com a pandemia, elas precisam encontrar alguma maneira de chamar a atenção dos consumidores, mesmo que não possam operar de forma imediata.

”Assim como em outros setores, tem ocorrido esse movimento de adiar e não cancelar serviços já contratados, e quem puder, comprar para retirar e consumir quando o comércio for reaberto. Mas é preciso ter cuidado para avaliar o que é uma oportunidade e o que pode se tornar um prejuízo no futuro”, disse Rodrigo.

Cuidado com as armadilhas nos pacotes de viagens

Apesar de neste momento ser possível encontrar estas boas oportunidades, é importante ter cuidado e não comprar por impulso. Isto pode fazer com que caia em armadilhas. Observe todos os detalhes da oportunidade oferecida principalmente quando o preço for muito abaixo do normal.

Rodrigo explica que muitos destes pacotes estão sendo vendidos como uma espécie de crédito caso a viagem não possa ser efetuada. Se isso acontecer, o comprador recebe um voucher no valor de sua compra para assim efetuar uma nova aquisição de acordo com os preços que estiverem sendo praticados.

Ele finaliza dizendo que com tantas promoções, as empresas podem acabar não dando conta de cumprir com todos que compraram.

Por fim, é importante se atentar a Medida Provisória aprovada pelo governo em março deste ano, que diz que as companhias aéreas tem o prazo de até 12 meses para reembolsar o cliente que cancelar viagens compradas até 31 de dezembro deste ano.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.