Divergência no governo faz trabalhadores perderem 2° parcela do auxílio emergencial

O Governo Federal tinha divulgado que a segunda parcela do auxílio emergencial de R$ 600 liberado para brasileiros durante a pandemia do novo coronavírus, tinha sido antecipado. Mas, na noite desta quarta-feira (22) o anúncio foi revogado.

Convergência no governo faz trabalhadores perderem 2° parcela do auxílio emergencial (Montagem/FDR)
Divergência no governo faz trabalhadores perderem 2° parcela do auxílio emergencial (Montagem/FDR)

Este impasse foi detalhado pelo presidente Jair Bolsonaro, nesta quinta-feira, pontuando que a antecipação prevista foi anunciada sem a sua autorização. Desta forma, causando uma divergência dentro do governo.

Vale relembrar que o anúncio foi realizado na última segunda-feira (20) durante coletiva no Palácio do Planalto na qual participaram o presidente da Caixa, Pedro Guimarães, e o ministro da Cidadania, Onyx Lorenzoni.

Mas ontem (22), Ministério da Cidadania voltou atrás. A justificativa detalhada é que não havia recursos para o repasse imediato aos brasileiros. Isto porque, o impacto provocado pela adesão do auxílio foi maior do que previsto.

Bolsonaro utilizou as redes sociais para orientar aos seus seguidores que o auxílio não foi cancelado. No comentário o presidente destacou que “um ministro anunciou sem estar autorizado que iria antecipar a segunda parcela”.

Em uma justificativa a ação de negar o antecipamento, Bolsonaro é enfático ao pontuar que primeiro será necessário pagar a todos a primeira parcela. Segundo ele “dinheiro depende de crédito suplementar já que ultrapassou em quase 10 milhões o número de requerentes“.

No contraponto da declaração, Ministério da Cidadania destacou nesta quarta-feira que todo o valor referente as três parcelas, o equivalente a R$ 32,7 bilhões cada uma, já foram repassadas para a Caixa Econômica Federal.

Em números, 12 milhões de trabalhadores ainda não receberam a primeira parcela. De acordo com a Caixa, às 7h desta quinta (22), 45,9 milhões brasileiros não inscritos no Cadastro Único solicitaram por meio do aplicativo e site o auxílio.

Senado aprovou projeto que poderá ampliar as categorias que recebem o benefício. O texto pontua que pais solo e mães de crianças adolescentes poderão também receber o benefício.

Agora o cronograma de pagamentos da segunda parcela do auxílio emergencial só será anunciado em maio, segundo a nota divulgada a imprensa. O Ministério menciona ainda que foi alertado pela Controladoria Geral da União (CGU) sobre a questão orçamentária.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

REDAÇÃO
Cobertura e repercussão de assuntos que impactam o bolso de todos os brasileiros. A redação do FDR.com.br traz diariamente assuntos relevantes de uma forma descomplicada e confiável.