Coronavírus: MP pretende reduzir desempregos durante pandemia

O atual surto de coronavírus está obrigando o governo a pensar e tomar medidas para que a crise causada pelo vírus não seja ainda pior para a população. Uma das grandes preocupações dos brasileiros é sobre como ficam seus empregos nesses dias tão atípicos. Por conta disso, o presidente Jair Bolsonaro editou no ultimo domingo (22), uma medida provisória focada no mercado de trabalho.

Coronavírus: MP pretende reduzir desempregos durante pandemia
Coronavírus: MP pretende reduzir desempregos durante pandemia (Foto: Google)

Esta medida provisória contém ações que visam manter o emprego das pessoas durante o período de calamidade que estamos atravessando.

As medidas da MP 927/2020 incluem, por exemplo, teletrabalho, uso do banco de horas, antecipação de feriados e férias coletivas ou individuais. O texto da MP já está publicado no Diário Oficial da União.

Leia Mais: ESTES concursos públicos foram adiados por conta do coronavírus

A medida também fala que o empregado e o empregador podem combinar um acordo de trabalho individual escrito como forma de garantia de vínculo empregatício.

O patrão tem a liberdade para mudar o regime de trabalho de presencial para remoto ou outros tipos de trabalho a distância, no qual os funcionários utilizam a internet, por exemplo, para realizar suas funções.

Pontos da MP sobre contrato de trabalho durante a quarentena do coronavírus

Contrato de trabalho e FGTS

Era permitido que o contrato de trabalho fosse suspenso por até quatro meses, período no qual o funcionário faria algum curso não presencial que ofereça qualificação profissional.

Durante a suspensão do contrato, poderia ser concedida pelo empregador uma “ajuda compensatória mensal” sem natureza salarial, que seria decidida em conjunto com o funcionário.

No entanto, o presidente Jair Bolsonaro voltou atrás e decidiu retirar esse artigo da MP. Pois, segundo ele, a proposta foi “mal interpretada”. A alternativa de suspender contratos gerou algumas polêmicas.

Consta também na MP, que os empregadores estão dispensados de recolher o Fundo de Garantia do Tempo de serviço (FGTS), com vencimentos em abril, maio e junho.

Férias individuais e coletivas

O empregador tem também a opção de antecipar as férias dos funcionários. Estas férias precisam ter mais que cinco dias e podem ser dadas mesmo sem o período aquisitivo completo. Para tal, o funcionário precisa ser avisado com no mínimo 48 horas de antecedência.

Ambas as partes podem negociar a antecipação de férias de períodos futuros, porém a prioridade para esta opção fica para os empregados pertencentes a grupos de risco do coronavírus.

É autorizado também que o empregador conceda férias coletivas aos funcionários. Para tal, também é obrigatória o comunicado prévio de no mínimo 48 horas.

Saúde e qualificação

A MP dispensa a realização de exames médicos ocupacionais, clínicos e complementares, exceto os demissionais. Os exames poderão ser feitos no prazo de 60 dias após o fim do estado de calamidade, exceto no caso do médico da empresa considerar que a prorrogação representa risco para a saúde do empregado.

O texto também suspende a obrigatoriedade de realização de treinamentos periódicos e eventuais dos empregados, mas aceita a modalidade de ensino a distância.

As ações presenciais podem ser realizadas no prazo de 90 dias após o fim do estado de calamidade do coronavírus.

Outras medidas

Por fim, é permitido aos estabelecimentos de saúde prorrogar a jornada de trabalho dos profissionais, mesmo para as atividades insalubres e para funcionários que fazem jornada de 12 horas de trabalho por 36 horas de descanso.

O texto também permite a adoção de escalas de horas suplementares entre a 13ª e a 24ª hora do intervalo interjornada.

Leia Mais: Cielo: nova opção de pagamento cresceu 200% em semana turbulenta

A medida provisoria já está em vigor, porém, para virar lei, tem que ser aprovada pelo Congresso em no máximo 120 dias.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.