Reforma da Previdência de SP foi prorrogada para depois do feriado após polêmica

Em clima de confusão e gritaria, a Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp) adiou a segunda votação para definir a reforma da previdência do estado. O encontro que aconteceria ainda nesta semana, foi remarcado para a terça-feira, 3 de março, pós carnaval. O projeto já em discussão prevê as novas regras de funcionamento das aposentadorias dos servidores públicos.

Reforma da Previdência de SP foi prorrogada para depois do feriado após polêmica (Imagem: Reprodução - Google)
Reforma da Previdência de SP foi prorrogada para depois do feriado após polêmica (Imagem: Reprodução – Google)

A decisão do adiamento não foi tomada de forma tranquila, durante a última assembleia os parlamentares se desrespeitaram, chegando até a embates físicos, como a tomada do celular de Douglas Garcia (PSL), realizada pela deputada Márcia Lia (PT).

Além disso, diversas provocações e ofensas fomentaram o clima de discórdia entre os que estavam presentes.

Leia também: Reforma da Previdência é aprovada no estado de São Paulo; confira as regras

O desejo de prorrogar a votação já tinha sido explicitado por metade da bancada, que preferiu tomar a decisão após o feriado. Entretanto, a oposição questionou, alegando se tratar de uma medida emergencial que já tinha seu texto pronto para ser validado.

Nessa terça-feira (18), os parlamentarem se reuniram para realizar a votação do primeiro turno da reforma da Previdência, aprovando o projeto.

Ao todo, foram contabilizados 57 votos para que a PEC tivesse continuidade. Entretanto, apesar da maioria ser a favor, por se tratar de uma mudança na Constituição Estadual, a lei determina que haja uma segunda análise.

Entre as principais alterações, a reforma muda a idade mínima de aposentadoria em 62 anos para mulheres e 65 para os homens.

Além disso, põe fim as gratificações, isso quer dizer que os servidores com bônus em seus salários não terão tais valores aplicados em seus benefícios. Outra mudança são os descontos de contribuição ao INSS em suas folhas de pagamento que serão entre 11% e 14%.

Leia também: Investimento em poupança gera incertezas com nova taxa de rendimento

Aqueles que se posicionaram contra o projeto, afirmam que faltou debate e que as medidas foram estruturadas de forma precipitada.

O processo foi construído aqui de maneira atropelada, não teve audiência pública, não teve debate. Lá em Brasília gastaram oito meses para aprovar a reforma. Aqui, o debate começou em dezembro e, se a gente não tivesse judicializado, já tinha sido aprovada — afirmou o deputado Teonilio Barba, líder da bancada do PT na Alesp.

Segundo o governo do estado, se for aprovada, a reforma resultará em uma economia de R$ 32 bilhões durante os próximos dez anos.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.
×

Este cartão de crédito sem anuidade está selecionando pessoas para receber possível limite agora!

VER AGORA