Contribuição ao INSS para micro empreendedor, autônomo e donas de casa vai mudar

Mudanças nas contribuições previdenciárias. A partir do mês de abril, os brasileiros terão novos valores nas cobranças pagas ao Instituto Nacional do Seguro Social. Empregados, domésticos e trabalhadores avulso contarão com novas alíquotas, aplicadas conforme as regras da reforma da previdência. A quantia de contribuição ao INSS varia de acordo com cada modalidade e terá uma taxação entre 5% a 20%.

Contribuição ao INSS para micro empreendedor, autônomo e donas de casa vai mudar (Imagem: Reprodução - Google)
Contribuição ao INSS para micro empreendedor, autônomo e donas de casa vai mudar (Imagem: Reprodução – Google)
publicidade

Agora, os percentuais serão aplicados de forma progressista, ou seja, tendo valores diferentes para cada faixa salarial. Entretanto, aqueles que estiverem desempregados ou atuando de forma autônoma, sem o cadastro no MEI, poderão continuar escolhendo entre as alíquotas de 5%, 11% e 20%.

Leia também: Seguro desemprego pode deixar de ter contribuição do INSS em novo programa

Para os MEIs, a contribuição será de 5%, precisando pagar cerca de R$ 52,25 por mês. Esse valor pode ser aumentado, caso ele deseje ter um pagamento maior em sua aposentadoria.

Além disso, há ainda taxações referentes ao Imposto sobre Serviço (ISS) que serão de R$5, e/ou de Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), que custará R$1, a depender das atividades desempenhada. Isso significa, que as guias terão um valor médio de R$ 58,25.

Para as donas de casa, trabalhadores desempregados e estudantes bolsistas, a contribuição ao INSS também será de 5%, mas nesse caso o valor final ficará por R$ 52,25, já que não há aplicação de impostos.

Por fim, como mencionado, há a possibilidade de aumentar os pagamentos para definir o valor da aposentadoria. Quem contribuir com 11% terá direito a um salário mínimo, quando se aposentar. Para isso, a contribuição custará R$ 114,95 por mês.


Leia também:
Reforma da Previdência completa 3 meses e sistemas do INSS não são atualizados

Já aqueles que desejarem gozar de valores maiores no fim da vida, poderão contribuir com 20% sobre o salário que desejam receber, isso significa de uma despesa entre R$ 209 (para o mínimo) e R$ 1.220,20 (para o teto que está acima de R$ 6 mil).

Contribuição ao INSS por salário

  • Nas contribuições, os empregados, empregados domésticos e trabalhadores avulsos, com salários de até R$ 1.045, terão uma alíquota de 7,5%;
  • Para salários entre R$ 1.045,01 a R$ 2.089,60, a contribuição será de 9%;
  • Quem recebe entre R$ 2.089,61 até R$ 3.134,40 deverá pagar 12%;
  • Por fim, os brasileiros com renda entre R$ 3.134,41 e R$ 6.101,06 custearão 14%.

Eduarda AndradeEduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestranda em ciências da linguagem na Universidade Católica de Pernambuco e formada em Jornalismo pela mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguagens. No mercado de trabalho, já passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de ter assessorado marcas nacionais como a Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR.