Novo GOLPE do PIX atinge quem paga boletos em bancos digitais: veja como identificar o erro e salvar seu dinheiro

Criminosos estão aplicando novo golpe do PIX que muda boletos e QR Code de pagamento. Pagamento não sendo feito e a vítima perde o dinheiro em poucos minutos. Veja como se proteger.

Novo GOLPE do PIX atinge quem paga boletos em bancos digitais: veja como identificar o erro e salvar seu dinheiro (Imagem:FDR)

Uma nova prática criminosa está ganhando a internet e fazendo muita gente perder dinheiro. O novo golpe do PIX desvia para a conta de laranjas o valor que seria para um pagamento. Com isso o cidadão fica sem pagar a conta e acaba perdendo o dinheiro.

O alerta foi feito pela empresa de segurança cibernética, Kaspersky, que também orienta quanto à proteção.

Novo golpe do PIX

  • Segundo a empresa, os criminosos utilizam um aplicativo que revalida o boleto e com isso conseguem editar alguns dados.
  • Essa alteração é feita diretamente no arquivo de PDF que o cliente recebe.
  • Por meio do vazamento de credenciais os golpistas passam a ter acesso aos e-mails de pessoas comuns.
  • Nas contas eles buscam por palavras chaves que podem levar ao documento, como “PIX”, “boleto” ou “segunda via”.
  • A partir disso, no próprio e-mail fazem a modificação do arquivo, inserindo dados de contas de laranja.
  • Com isso o valor é desviado para a conta inserida no documento.
  • Esse é o chamado golpe do Reboleto.

As transações bancárias mudaram nesse ano, nossa especialista Lila Cunha  te explica as alterações.

Como não cair no golpe do Reboleto?

  • A grande dica é conferir os dados do boleto, comparar com os dados da empresa recebedora em outro documento.
  • Caso os dados não estejam iguais não faça o pagamento e entre em contato com a empresa responsável pela emissão.
  • Outra alternativa é utilizar o débito automático para o pagamento das contas, com isso valor é descontado diretamente da conta corrente.

Entre na comunidade do FDR e receba informações gratuitas no seu Whatsapp!

Jamille Novaes
Baiana, formada em Letras Vernáculas pela UESB, pós-graduada em Gestão da Educação pela Uninassau. Apaixonada por produção textual, já trabalhou como corretora de redação, professora de língua portuguesa e literatura. Atualmente se dedica ao FDR e a sua segunda graduação.