Transferências bancárias são MODIFICADAS; saiba como funciona a partir de agora

Pontos-chave
  • Os brasileiros têm pelo menos quatro opções de transferências bancárias;
  • O DOC vai deixar de existir neste ano;
  • Há informações sobre taxação do PIX.

O mercado de bancos tem se modernizado. Há alguns anos atrás as transferências bancárias, principalmente entre instituições diferentes, acontecia de forma presencial. Mais tarde veio o internet banking, depois a otimização dos aplicativos. E agora o anúncio de mudanças nos métodos de pagamento.

Transferências bancárias são MODIFICADAS; saiba como funciona a partir de agora
Transferências bancárias são MODIFICADAS; saiba como funciona a partir de agora (Imagem: FDR)

Com as transferências bancárias os brasileiros conseguem passar dinheiro entre as contas sem necessidade de acessar a quantia em cédulas. Os valores são transferidos de maneira online, mas em alguns casos há custos.

O Banco Central (BC) e a Febraban (Federação Brasileira dos Bancos) são responsáveis por mudanças. Isso é, qualquer alteração no formato dos pagamentos precisam passar primeiro pela aprovação destas instituições. Normalmente são elas quem sugerem qualquer tipo de alteração. 

Tem circulado nas redes sociais a informação de que as transferências bancárias vão mudar nos próximos dias. Valendo para os pagamentos usando o método do DOC (Documento de Ordem de Crédito), o TEC (Transferência Especial de Crédito), e o PIX. Todos com a mesma finalidade, mas tendo regras diferentes.

Segundo dados do Banco Central para o primeiro semestre de 2023, o número de operações de pagamento daquele período foi de:

  • DOC – 37 milhões;
  • Cheques – 125 milhões;
  • TED – 448 milhões;
  • Boleto – 2,09 bilhões;
  • Cartão de débito – 8,4 bilhões;
  • Cartão de crédito – 8,4 bilhões;
  • Pix – 17,6 bilhões.

Quais as opções de transferências bancárias disponíveis?

Hoje, o cliente de qualquer banco tem pelo menos quatro opções de transferências bancárias. Neste método, como informado, os valores saem de uma conta e vão para outra, nem sempre sendo da mesma titularidade ou do mesmo banco. Serve principalmente para pagamentos de débitos. 

Isso significa que quando o consumidor não paga um produto ou serviço com cartão de débito ou crédito, ele acaba usando as transferências para quitar esse valor. Ou ainda para movimentar sua conta tendo outra finalidade.

Pelo menos por hora estão disponíveis os seguintes meios de transferência.

DOC

  • Limite de R$ 4.999,99 diário;
  • Dinheiro enviado até às 21h59 caí no dia útil seguinte, passado esse horário a espera é de dois dias úteis;
  • Cobrança de tarifa com valor variável dependendo do banco, mas que chega a R$ 15 por operação.

TEC

  • Limite de R$ 4.999,99 diário para empresas;
  • São feitas exclusivamente por empresas para o pagamento de funcionários;
  • Dinheiro enviado até às 17h00 caí no dia útil seguinte, passado esse horário a espera é de dois dias úteis;
  • Cobrança de tarifa com valor variável dependendo do banco.

TED

  • Transferência Eletrônica Disponível;
  • Permite transferências acima de R$ 5 mil;
  • Para transações feitas até às 17h00 o dinheiro caí no mesmo dia;
  • Quando o valor é transferido para conta do mesmo banco não há cobrança de tarifa;
  • Transações entre bancos diferentes há cobrança variável dependendo do banco.

PIX

  • Funciona 24h por dia;
  • Pagamento instantâneo, ou seja, caí na mesma hora na outra conta;
  • Não há cobrança de tarifa;
  • O limite de pagamento muda no período noturno, mas é ajustável.

Mudanças nas transferências bancárias via DOC

Foi recentemente anunciado pela Febraban que as transferências bancárias via DOC vão deixar de existir. Ou seja, não haverá mais a opção de enviar dinheiro por este método. O motivo é que com o início do PIX, o meio de pagamento do DOC caiu em desuso, poucas pessoas ainda aderem à ele.

Junto com o DOC, o TEC que tem sido usado por empresas também não deve mais existir. Os prazos para que os clientes ainda utilizem esse meio já foram anunciados:

  •  Até 15 de janeiro de 2024: pagamentos diretos, ou agendamento para pagamento até 29 de fevereiro;
  • Até 29 de fevereiro de 2024: processamento dos agendamento que já foram feitos.

Cobrança do PIX gera polêmica

Tem circulado nas redes sociais a mensagem de que transferências bancárias via PIX passariam a ter cobrança de tarifa. O serviço que hoje é gratuito seria modificado para os usuários ainda em 2024, conforme a mensagem compartilhada.

Diante da repercussão, o nome do presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, foi mencionado. Em outra ocasião ela já havia declarado a verdade em que:

  • Não haverá cobrança de tarifa para pagamentos feitos via PIX;
  • As cobranças acontecem em dois casos:
    • Recebimento de recursos com finalidade de compra;
    • Envio de recursos, com finalidades de saque ou troco, a partir da 9ª transação por mês.

Lila Cunha
Autora é jornalista e atua na profissão desde 2013. Apaixonada pela área de comunicação e do universo audiovisual. Suas redes sociais são: @liilacunhaa, e-mail: [email protected]