Saiba tudo sobre o auxílio de R$ 1.412 para cuidadores de idosos oferecido pelo INSS

Você sabia que o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) está liberando um benefício de R$ 1.412 aos idosos e àqueles que cuidam deles? Veja abaixo como funciona esse suporte financeiro e as regras para receber.

Vale destacar que este auxílio pode ser direcionado tanto a profissionais contratados, como enfermeiros, quanto a familiares responsáveis pelo cuidado do idoso, visando garantir seu bem-estar e auxiliá-lo em suas necessidades cotidianas.

É importante destacar que o auxílio ao cuidado do idoso corresponde a um acréscimo de 25% sobre o valor total do benefício previdenciário recebido pelo segurado do INSS. Geralmente, esse público é composto por aposentados por invalidez que demandam assistência contínua.

O adicional de 25% destinado ao cuidador de idoso é regulamentado pela Lei de Benefícios Previdenciários, sendo pago independentemente do valor total da aposentadoria exceder o teto previdenciário estabelecido em R$ 7.786,01.

Como receber o auxílio de R$ 1.412 do INSS?

De acordo com a Lei de Benefícios da Previdência Social, o valor é concedido aos aposentados que dependem de cuidadores para suas atividades diárias, visando proporcionar uma renda adicional para aqueles que necessitam de assistência em suas necessidades básicas devido à incapacidade de trabalhar, seja por acidente ou doença.

Existem várias circunstâncias que conferem direito ao aumento no valor do benefício pago pelo INSS, incluindo:

  • Cegueira total;

  • Perda dos nove dedos ou mais das mãos;

  • Paralisia dos dois braços ou pernas;

  • Perda das pernas, na hipótese em que a prótese for impossível;

  • Perda de uma das mãos e dos dois pés, mesmo que a prótese seja possível;

  • Perda de um braço e de uma perna, na hipótese em que a prótese for impossível;

  • Alteração das faculdades mentais com grave perturbação da vida orgânica e social. Em outras palavras, quando há dificuldade em organizar o pensamento, o raciocínio e a tomada de decisões para executar atividades domésticas e sociais por conta própria;

  • Doença que tenha deixado o segurado acamado;

  • Incapacidade permanente para as atividades da vida diária.

A especialista Laura Alvarenga revelou mais detalhes sobre as doenças que dão acesso ao valor. Para entender melhor, clique aqui.

Ariel França
Jornalista especializado em Direito Administrativo, Gestão Pública e Administração Geral. Possui mais de uma década de experiência em produção de conteúdo para a internet.