INSS deixa de pagar R$ 10 bilhões para beneficiários em 2024? Entenda a polêmica

Governo deve economizar em 2024 com redução de pagamentos do INSS. Entre as medidas que vão resultar da redução de R$ 10 bilhões está um pente fino já iniciado. Ações deve afetar milhares de beneficiários.

INSS deixa de pagar R$ 10 bilhões para beneficiários em 2024? Entenda a polêmica
INSS deixa de pagar R$ 10 bilhões para beneficiários em 2024? Entenda a polêmica (Imagem: FDR)

A Previdência Social é responsável por uma grande fatia do orçamento federal todos os anos. Mas, algumas ações poderão diminuir os gastos do INSS, o que preocupa a beneficiários. A expectativa é de que a economia seja de cerca de R$ 10 bilhões, só em 2024.

Redução de beneficiário do INSS

  • Desde 2023 o governo vem anunciando pentes finos em diversos órgãos e programas, incluindo o Bolsa Família.
  • A intenção é prevenir fraudes que desviam o dinheiro destinado ao pagamento dos benefícios.
  • Desse modo, o Instituto Nacional do Seguro Social já informou que tem trabalhado para reduzir os pagamentos indevidos, principalmente para pessoas já falecidas.
  • Esses pentes finos devem reduzir os gastos em pelo menos R$ 1,8 bilhão.

Implantação da perícia virtual

  • Outra ação que deve contribuir para a redução de gastos do INSS é a implantação do Atestmed.
  • O sistema consiste na análise documental.
  • Ela é usada prioritariamente para a aprovação do Benefício por Incapacidade Temporária, o antigo Auxílio-Doença.
  • Segundo estimativas do INSS essa implementação deve reduzir dos gastos do Instituto em R$ 5,6 bilhões.
  • O Atestmed é uma das ações do Governo Federal para reduzir as filas do INSS, acelerando a aprovação de benefícios.
  • Inclusive, o tempo médio de espera pela aprovação foi reduzido após a implementação do sistema.
  • Para os usuários é necessário ficar atento às orientações do Instituto sobre a documentação a ser enviada no pedido.

Além disso, também haverá economia com a redução de cobranças administrativa de pagamentos indevidos de benefícios; modernização da segurança da informação; aperfeiçoamento da revisão e melhoria na infraestrutura de atendimento.

Jamille Novaes
Baiana, formada em Letras Vernáculas pela UESB, pós-graduada em Gestão da Educação pela Uninassau. Apaixonada por produção textual, já trabalhou como corretora de redação, professora de língua portuguesa e literatura. Atualmente se dedica ao FDR e a sua segunda graduação.