Golpe do falso emprego PREJUDICA brasileiros; saiba como se proteger

Criminosos aproveitam a busca de brasileiros por oportunidades de trabalho para aplicar o golpe do falso emprego. Nele é prometido uma renda extra através de tarefas feitas virtualmente. Veja como os golpistas agem e se proteja.

Golpe do falso emprego PREJUDICA brasileiros; saiba como se proteger
Golpe do falso emprego PREJUDICA brasileiros; saiba como se proteger (Imagem: FDR)

A busca por uma oportunidade de trabalho pode ser bastante desafiadora. E os criminosos têm deixado isso ainda mais difícil. O golpe do falso emprego tem atraído cada vez mais vítimas com a oferta de uma grana extra.

Como é aplicado o golpe do falso emprego?

  • Os criminosos aproveitam as redes sociais para atrair as vítimas com anúncios que prometem bastante.
  • Nos anúncios o trabalho é simples: ajudar comerciantes a melhorarem a oferta de seus produtos na internet.
  • Para isso o “contratado” teria apenas que realizar algumas tarefas diárias.
  • Para isso é incluindo em um grupo no WhatsApp.
  • A parte mais atrativa é a remuneração, inicial de R$ 100 por dia, mas que pode chegar a R$ 1.500 diários.
  • Inicialmente a vítima recebe os pagamentos pela realização das tarefas.
  • Isso faz com que ela acredite que se trata de um trabalho real.
  • Até que chega à tarefa em que é necessário pagar para participar e ter um lucro maior.
  • Depois do pagamento a pessoa é bloqueada do grupo e os criminosos simplesmente somem com o dinheiro.

Como se proteger?

  • Desconfie desses anúncios vantajosos demais onde você vai ganhar pouco fazendo pouco.
  • Não realize pagamentos com a promessa de ganhos maiores.
  • Nunca faca depósitos para conseguir um emprego.
  • Confira qual é o número que está te enviando mensagens. É possível fazer uma pesquisa sobre ele.
  • Faça uma pesquisa nas redes sociais.
  • Confira os detalhes do perfil que está fazendo o anúncio.
  • Comentários bloqueados, número errado de comentários ou poucos seguidores podem ser sinais de fraude.

Caso tenha sido vítima, faça um Boletim de Ocorrência, o famoso BO. Também é necessário notificar o seu banco.

Jamille Novaes
Baiana, formada em Letras Vernáculas pela UESB, pós-graduada em Gestão da Educação pela Uninassau. Apaixonada por produção textual, já trabalhou como corretora de redação, professora de língua portuguesa e literatura. Atualmente se dedica ao FDR e a sua segunda graduação.