INSS dá dicas preciosas aos segurados para acelerar liberação dos processos

Pontos-chave
  • INSS alerta sobre cumprimento das exigências como forma de acelerar os pedidos;
  • Quem não envia os dados necessários atrasa a liberação;
  • É importante consultar seu pedido para verificar a necessidade de novos documentos.

O início de 2024 já está sendo marcado pelo maior problema do Ministério da Previdência Social no último ano, a fila de espera do INSS (Instituto Nacional do Seguro Social). A fim de minimizar o tempo que os segurados estão aguardando, o Instituto deu dicas para acelerar a resposta do seu pedido. 

INSS dá dicas preciosas aos segurados para acelerar liberação dos processos
INSS dá dicas preciosas aos segurados para acelerar liberação dos processos (Imagem: FDR)

A principal promessa do ministro da Previdência Social, Carlos Lupi, era de que diminuiria o tempo de espera por pedidos do INSS em até 45 dias em 2023. Mas, não conseguiu alcançar esse prazo. Ainda assim, manteve a promessa de que continuará trabalhando para alcançar a meta inicial.

“Nós tivemos, em março, 1,8 milhão de pedidos, em média, as pessoas esperando 110 dias e tinha gente que esperava mais. Hoje, a média é de 49 dias, e eu garanto que vai chegar em 45 dias, disse Lupi durante uma entrevista em dezembro.

De acordo com a legislação brasileira o máximo que um trabalhador pode esperar para ter acesso a um auxílio por invalidez é de 45 dias. Para salário maternidade o tempo é ainda mais curto, são 30 dias. Mas, muitas pessoas estão enfrentando uma espera muito mais longa do que deveriam, chegando a 180 dias.

Para enfrentar esse problema, além dos mecanismos que o próprio INSS tem adotado para acelerar as análises, o Instituto também listou o que o segurado pode fazer para dar andamento no seu pedido. São pontos importantes que sendo cumpridos ajudam na liberação do auxílio de forma mais ágil.

Como acelerar o pedido no INSS

Levantamento do setor de Reconhecimento de Direitos ligado à Gerência-Executiva (GEX) do INSS em Curitiba mostra que mais da metade dos pedidos de benefícios não são concluídos na primeira análise. O motivo é que as solicitações são encaminhadas sem os documentos básicos.

Pensando nisso, o INSS separou algumas dicas preciosas para que o segurado as cumpra e consiga ter acesso ao seu benefício mais rápido. 

  • Tenha certeza de que cumpre com as regras que dão acesso ao pagamento;
  • Verifique qual a documentação necessária para o pedido do benefício, desde documentos básicos (RG, CPF) até os documentos específicos (laudo médico, carteira de trabalho);
  • Anexe os documentos dentro do prazo;
  • Envie documentos nítidos e em bom estado. Quer dizer, evite folhas rasgadas, molhadas, manchadas ou que atrapalhem a leitura;
  • Acompanhe o pedido do seu benefício por meio do aplicativo ou site, verificando se há aviso de “cumprimento de exigência”;
  • Não demore para enviar os documentos necessários;
  • Acesse o simulador de aposentadoria para verificar se tem o tempo de contribuição e idade necessários para fazer o pedido. Caso contrário, evite frustrações de solicitar um auxílio que será negado.

“Se a pessoa não conseguir entrar com todos os documentos, que pelo menos ela acompanhe os canais de comunicação pela internet para que não sejamos obrigados a indeferir um benefício por falta de manifestação do segurado”, orienta a chefe da Seção de Análise de Reconhecimento de Direitos da GEX Curitiba, Elaine Galvão.

Como funciona a análise de pedidos do INSS?

As dicas publicadas visam diminuir o tempo de análise de pedidos no INSS. Isso é, quanto mais completa for a solicitação, mais rápido os sistemas e os funcionários conseguem analisá-la e dar uma resposta.

De acordo com a Central de Reconhecimento de Direitos de Curitiba, como os pedidos veem incompletos não é possível conceder ou indeferir logo na primeira análise, o que acaba impactando no tempo de conclusão do processo.

O processo de verificação funciona assim:

  • O pedido é encaminhado pelo segurado via canais online;
  • Um funcionário recebe esse pedido e analisa a solicitação junto com os documentos;
  • São conferidos se o segurado responde a todos os requisitos de acesso;
  • É feito o cruzamento de dados entre as plataformas públicas para verificar a veracidade das informações;
  • Saí o resultado de indeferimento, deferimento ou pedido de envio de cumprimento de exigência.

Como saber se tenho documentos para enviar no INSS?

O prazo para cumprir com as exigências é de 30 dias após o aviso do INSS sobre a falta da documentação, ou da necessidade de reenvio do que foi anexado. Quanto mais pedidos para reenvio dos documentos, mais tempo demora para conclusão.

Para verificar se a sua solicitação foi aceita, ou se há necessidade de incluir novas informações, basta:

  • Acesse o Meu INSS e faça login;
  • Clique no botão “Consultar Pedidos”;
  • Encontre seu processo na lista;
  • Para ver mais detalhes, clique em “Detalhar”.

Lila Cunha
Autora é jornalista e atua na profissão desde 2013. Apaixonada pela área de comunicação e do universo audiovisual. Suas redes sociais são: @liilacunhaa, e-mail: [email protected]