Salário mínimo 2024 vai ficar abaixo do esperado com nova fórmula do governo

Como prometido pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), a partir do salário mínimo 2024 valerá uma nova política de valorização do piso. A  ideia é que não seja usada apenas a inflação como referência para os reajustes. No entanto, a fórmula tornará o piso menor do que aquele previsto no Orçamento de 2024.

Salário mínimo 2024 vai ficar abaixo do esperado com nova fórmula do governo
Salário mínimo 2024 vai ficar abaixo do esperado com nova fórmula do governo (Imagem: FDR)

De acordo com a projeção divulgada pelo economista-chefe da Ryo Asset, Gabriel Leal de Barros, a nova política de valorização vai reduzir a projeção do salário mínimo 2024. Em agosto deste ano foi enviado para o Congresso Nacional o PLOA (Plano de Lei Orçamentária Anual) com previsão para o piso.

Política de valorização do salário mínimo 2024

Até 2022, quando Jair Bolsonaro (PL) estava sob o comando do país, o cálculo de reajuste anual do salário mínimo considerava a inflação do ano anterior. Este tipo de acréscimo é obrigatório e consta na Constituição Federal, ele deve seguir pelo menos a inflação como uma forma de garantir o poder de compra dos brasileiros.

Nos governos petistas, porém, outro tipo de fórmula de reajuste era usada. Com o retorno de Lula para o comando do país, ele solicitou que esta política de valorização pudesse retornar. Com isso, para calcular o quanto será reajustado o salário mínimo 2024 é preciso:

  • Somar a inflação do ano anterior (2023) + resultado do PIB (Produto Interno Bruto) de dois anos atrás.

Novo valor do salário mínimo 2024

Usando como projeção o valor do INPC (Índice Nacional de Preços ao Consumidor) divulgado na terça-feira (12) para os últimos doze meses, foi possível calcular o peso no salário mínimo 2024.

  • Salário mínimo: R$ 1.412,00 em 2024;
  • R$ 9,05 a menos que o valor que consta no PLOA, de R$ 1.421.

Até novembro o INPC acumulou alta de 3,85%, enquanto o PIB de 2022 que foi usado como referência ficou em 3%.

Lila Cunha
Autora é jornalista e atua na profissão desde 2013. Apaixonada pela área de comunicação e do universo audiovisual. Suas redes sociais são: @liilacunhaa, e-mail: [email protected]