ENEM 2023: Veja formas de utilizar a nota do exame

Pontos-chave
  • Aplicação do ENEM 2023 acontece em novembro desse ano
  • Nota do exame será utilizada em programas geridos pelo MEC
  • ENEM possibilita formação no exterior

Estudantes poderão utilizar a nota do ENEM 2023 de diversas formas, conhecê-las ajuda na decisão de qual a melhor para cada perfil. O Exame Nacional do Ensino Médio será aplicado em todo o país nos dias 5 e 12 de novembro desse ano, apenas quem teve a inscrição confirmada poderá participar.

ENEM 2023: Veja formas de utilizar a nota do exame
ENEM 2023: Veja formas de utilizar a nota do exame (Imagem: FDR)

Ao longo dos anos o Exame Nacional do Ensino Médio deixou de ser apenas uma forma de medir a qualidade da última etapa da educação básica. Agora, ele é também a principal forma de ingressar no ensino superior, inclusive, com a aproximação do ENEM 2023, é importante começar a pensar no seu futuro.

O instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep) aplicará o exame, nas 27 unidades da Federação, nos dias 5 e 12 de novembro de 2023.

A nota do exame é aceita em diferentes programas sob a responsabilidade do Ministério da Educação (MEC) e até mesmo em seleções de universidades estrangeiras.

Como utilizar a nota do ENEM 2023?

Sistema de Seleção Unificada (Sisu)

Através do SiSU é possível conquistar uma vaga em uma instituição de ensino superior pública (universidades ou institutos) estaduais ou federais.

Para participar da seleção é necessário ter feito o Exame Nacional do Ensino Médio mais recente, não ter zerado a redação nem participado do ENEM como treineiro.

O programa conta com duas seleções ao ano, no começo de cada semestre, cada uma com uma chamada regular de aprovados mais a lista de espera. A participação é livre para quem atende aos requisitos, mesmo que já possua diploma de nível superior.

Programa Universidade Para Todos (ProUni)

Já com o ProUni, os estudantes podem concorrer a bolsas de estudos integrais (100%) ou parciais (50%); nesse caso, além de ter feito o ENEM é necessário ter cursado:

Ou ainda ser uma pessoa com deficiência ou um professor da rede pública de ensino.

As bolsas integrais são destinadas a quem tem renda mensal bruta per capita (por pessoa) até 1,5 salário mínimo; enquanto as bolsas parciais são concedidas aos estudantes com renda familiar bruta per capita até 3 salários mínimos.

O MEC realiza duas seleções anualmente cada uma com duas chamadas de aprovados mais a lista de espera.

Quem já possui diploma de nível superior não pode participar.

Fundo de Financiamento Estudantil (Fies)

Com a nota do ENEM a partir de 2010, os estudantes podem concorrer as vagas oferecidas pelo programa. Com o FIES é possível financiar o curso de graduação e pagar as mensalidades apenas após a conclusão.

Para participar é necessário ter feito o ENEM a partir de 2010; tenha obtido média igual ou superior a 450 pontos e nota superior a 0 na redação; e ter renda familiar mensal bruta, por pessoa, de até 3 salários mínimos. 

A escala de financiamento varia conforme a renda familiar, podendo o candidato conseguir a contratação de financiamento com juros zero.

São duas seleções anuais, cada uma com uma chamada de aprovados mais a lista de espera.

Ingresso direto

As próprias instituições também realizam seleções internas com uso da nota do exame. O interessante dessa modalidade é que o estudante não precisa fazer o vestibular e pode aplicar a sua nota para diversas instituições.

As regras variam de acordo com a instituição, em geral são aceitas as notas do ENEM a partir de 2010, ano em que o exame foi alterado para ingresso no ensino superior.

Tanto instituições públicas quanto particulares realizam seleções próprias.

Enem Portugal

Se você sonha em estudar fora do Brasil, a nota do exame também pode te ajudar nisso. O INEP possui parceria com diversas universidades portuguesas, o que possibilita o acesso aos dados dos candidatos.

Nesse caso, os estudantes precisam ficar atentos às publicações da universidade portuguesa em que deseja estudar.

“O Enem Portugal, como é chamado o programa de acordos interinstitucionais entre o Inep e as instituições de educação superior portuguesas, foi criado em 2014, quando algumas instituições de Portugal já aceitavam os resultados individuais do Enem em seus processos seletivos. Para simplificar o acesso dessas instituições ao desempenho dos candidatos interessados no ensino superior português, o Inep passou a realizar os acordos interinstitucionais de cooperação. Essa troca de informação possibilitou a ampliação de possibilidades de intercâmbio educacional”, informa o MEC.

Para saber mais sobre vagas de emprego, vestibulares e cursos, acompan;;he a editoria de Carreiras do FDR.

Jamille Novaes
Baiana, formada em Letras Vernáculas pela UESB, pós-graduada em Gestão da Educação pela Uninassau. Apaixonada por produção textual, já trabalhou como corretora de redação, professora de língua portuguesa e literatura. Atualmente se dedica ao FDR e a sua segunda graduação.
Sair da versão mobile