O fim chegou? Empresa com risco de falência tem ações no MENOR valor da história

O mundo dos negócios é cheio de altos e baixos e uma das empresas mais conhecidas do mundo está correndo risco de falir. Nesta segunda, 8, as ações da empresa derreteram e atingiram a mínima histórica.

O fim chegou? Empresa com risco de falência tem ações no MENOR valor da história
O fim chegou? Empresa com risco de falência tem ações no MENOR valor da história (Imagem: Montagem/FDR)

Estamos falando da Tupperware, que virou sinônimo dos famosos potinhos que usamos em nossas casas. Na sessão desta segunda, as ações da empresa caíram cerca de 29%, atingindo sua mínima histórica quando foram cotadas à apenas US$0,77 na Bolsa de Nova York, a Nyse.

Tupperware perto da falência?

A razão deste derretimento nas ações da empresa, segundo a agência Dow Jones, foram os novos problemas detectados no balanço do primeiro trimestre da Tupperware, que vem flertando com a falência há alguns meses.

A sessão desta segunda chegou ao fim com o ativo registrando perdas de de 27,5%, sendo cotado a US$0,79.

Ao longo dos últimos 12 meses, a Tupperware, que fabrica utensílios para casa, viu suas ações despencarem 91% nos últimos 12 meses. Ela então contratou a consultoria Alvarez & Marsal para capitanear o seu processo de reestruturação.

De acordo com a empresa, foram detectadas fraquezas materiais adicionais nos controles internos das demonstrações financeiras desde o comunicado original feito no começo do mês passado. 

A Tupperware afirma que registrou vendas entre US$ 280 milhões e US$ 290 milhões no primeiro trimestre do ano, porém as incertezas substanciais a respeito de sua capacidade de seguir operando permanecem.

Tupperware se pronuncia

Na última sexta, 7, a empresa se pronunciou através de comunicado ao mercado e disse que poderá deixar de cumprir algumas cláusulas colocadas em contratos de crédito e sinalizou que pode não ter liquidez o bastante  para seguir com suas atividades.

“A companhia prevê o descumprimento de cláusulas financeiras […] que potencialmente pode acontecer no final do primeiro trimestre de 2023”, disse ela em comunicado oficial, segundo o g1.

“Se a exigência de reembolso ocorrer, a companhia não dispõe de recursos financeiros para saldar tais obrigações. A companhia ainda depende dos recursos para financiar suas operações e cumprir com demais obrigações”, afirmou a Tupperware no comunicado.

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.