Com a taxa SELIC mantida mais uma vez, quais as melhores opções de investimento?

O Copom (Comitê de Política do Monetária) do Banco Central decidiu manter a taxa básica de juros Selic em 13,75% ao ano. A decisão foi tomada na reunião que aconteceu na última quarta, 3. Diante disso, quais são as melhores opções de investimento? Confira.

Com a taxa SELIC mantida mais uma vez, quais as melhores opções de investimento?
Com a taxa SELIC mantida mais uma vez, quais as melhores opções de investimento? (Imagem FDR)

Na visão de economistas e estrategistas de investimentos, o momento é apropriado para aproveitar as taxas elevadas de títulos atrelados à inflação e prefixados. A grande indicação do momento segue sendo a renda fixa, já que a projeção é que a Selic demore um pouco para cair.

Melhores opções de investimento com a Selic em 13,75%

A expectativa de queda da Selic para os próximos meses foi embutida no preço dos ativos e os juros ofertados em títulos atrelados à inflação e prefixados já caíram levemente.

Porém, para os economistas e estrategistas de investimentos, estas opções não são descartadas e eles orientam que os investidores usufruam das boas taxas da renda fixa antes que elas caiam mais ainda. Uma parte considerável dos economistas orienta esperar para aumentar a fatia da renda variável.

“Estamos em um momento de digerir o que será antes de tomar risco, considerando as dúvidas em relação ao arcabouço fiscal. Ainda aconselhamos um direcionamento maior para a renda fixa, com taxas bem atrativas”, disse Arley Junior, estrategista de investimentos do Santander ao Valor Investe.

O consenso entre os economistas e estrategistas são os títulos atrelados à inflação. Eles são considerados uma boa aposta para o médio e longo prazo e para que o investidor fique protegido da alta generalizada dos preços.

Estes títulos rendem uma taxa prefixada mais o IPCA, indicador oficial de inflação do país. É possível encontrar  estes ativos no Tesouro Direto pagando até 6% ao ano mais IPCA, com datas de vencimento entre 2029 e 2045.

Títulos prefixados 

A sugestão de Bruno Di Giacomo, chefe de investimentos da Nero Capital ao Valor, é que investidores que tem um perfil entre moderado e arrojado adquiram CDBs (Certificado de Depósito Bancário) e LCAs e LCIs (Letras de Crédito do Agronegócio e Imobiliário) prefixados, com data de vencimento mais próxima, por volta de 2026. Alguns ofertam taxas que giram em torno  dos 14% ao ano.

Na visão dele, ainda não existe indicativos que sinalizem que não é mais vantajoso apostar na renda fixa. “Ainda não é hora de aplicar mais em renda variável. Há muito prêmio para capturar na renda fixa, um prato cheio para os investidores conservadores”, disse ele ao Valor Investe.

Entre na comunidade do FDR e receba informações gratuitas no seu Whatsapp!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.