Compras na Shein, Shopee e AliExpress serão taxadas no Brasil por causa desse MOTIVO

Nos últimos dias, a venda de produtos chineses pela Shein, Wish, AliExpress e Shopee no Brasil tem sido tema de debate. O presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT) recentemente criticou o fato dessas empresas não pagarem impostos para vender suas mercadorias no mercado brasileiro. Agora, muitos clientes estão preocupados com o futuro das compras feitas em plataformas de importação.

Shein, Shopee, AliExpress e outros aplicativos chineses terão compras taxadas no Brasil por causa desse MOTIVO

No entanto, não é só Lula quem tem se pronunciado sobre essa questão. O Congresso Nacional também está demonstrando insatisfação com a situação. A venda desses aplicativos incluem roupas, calçados, acessórios, itens de higiene, eletrônicos, e muitos outros, o que tem gerado uma concorrência desleal com outras empresas como o Mercado Livre e Elo7, que são tributadas.

O presidente da Frente Parlamentar Mista do Empreendedorismo (FPE), deputado Marco Bertaiolli (PSD-SP), afirmou que esse comércio tem prejudicado as empresas nacionais. A Associação Brasileira de Varejo Têxtil (Abvtex), por sua vez, também já se posicionou contra a isenção de impostos dessas empresas. São cerca de 500 mil pacotes diários vindos da China, segundo Bertaiolli.

COMPRAS NA SHEIN, SHOPEE E ALIEXPRESS VÃO SER TAXADAS POR CAUSA DESSE MOTIVO

Shein, Shopee e AliExpress serão afetadas

A possibilidade de cobrança de impostos federais como o Imposto de Importação tem gerado incertezas em relação ao aumento de preços nas compras em e-commerce estrangeiros. Embora os consumidores já tenham começado a se posicionar contra qualquer tipo de taxação, a mudança pode acontecer em breve e promete trazer impactos para o valor final dos produtos, que já costumam ter preços elevados nos fretes.

Mesmo diante desse cenário, a Shein afirmou que cumpre as leis e regulamentos locais do Brasil e que vende para o país desde 2020, “utilizando parceiros logísticos locais”. Por enquanto, o governo federal ainda não tem uma solução para o caso, mas a pressão dos comerciantes locais deve fazer com que a questão seja resolvida em breve.

Nas redes sociais algumas mensagens de protesto ganharam destaque. Uma internauta viralizou com a frase “Não mexam com minha Shein”. Enquanto isso, outra usuária gerou debates ao afirmar que era preciso “diminuir os impostos das lojas brasileiras” para que o consumo em lojas nacionais volte a ter prioridade. “A taxação que nós queremos é a das grandes fortunas, não das nossas comprinhas de R$ 100″, diz outro comentário.

Ariel França
Jornalista especializado em Direito Administrativo, Gestão Pública e Administração Geral. Possui mais de uma década de experiência em produção de conteúdo para a internet.
Sair da versão mobile