Bolsa Família 2023: Governo explica quem são os “ilegais” que perderão seus cadastros

Em seu primeiro dia oficial como Ministro do Desenvolvimento Social, Wellington Dias, afirmou na segunda-feira (2) que o Bolsa Família 2023 passará por uma filtragem de cadastros. A ideia é analisar os dados daqueles que recebem o atual Auxílio Brasil, a fim de excluir os grupos que foram chamados pelo ministro de “ilegais”. Dessa forma, a equipe da Pasta acredita que seria possível acabar com as fraudes e zerar a fila de espera do programa.

Bolsa Família 2023: Governo explica quem são os "ilegais" que perderão seus cadastros
Bolsa Família 2023: Governo explica quem são os “ilegais” que perderão seus cadastros (Imagem: FDR)

De acordo com os dados da atual equipe do Desenvolvimento Econômico, o Cadastro Único tem hoje 90 milhões de pessoas inscritas. É por meio dessa base de dados que o governo federal, estadual e municipal seleciona novos contemplados para que participem dos seus programas de assistência social. Entre eles, o Bolsa Família 2023, considerado o de maior abrangência.

Vamos fazer uma revisão nesse cadastro. O Cadastro Único é o cérebro de toda base social do Brasil. Um bom cadastro, uma política eficiente”, declarou Dias.

Isso significa que a análise dos dados acontecerá justamente no CadÚnico. Nesse cadastro estão informações pessoais e financeiras que indicam o grau de vulnerabilidade de cada um que se inscreveu. Também é possível descobrir quem tem direito de receber o Bolsa Família 2023, e quem está recebendo, mas já não cumpre mais com as regras.

Quem pode estar recebendo o Bolsa Família 2023 ilegalmente?

Durante a cerimônia de posse do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, Wellignton dias cedeu entrevista e falou sobre o pente fino que será aplicado no Bolsa Família 2023. Esta não é a primeira vez que ele anuncia que fará a análise, e inclusive já compartilhou que dados obtidos pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) por meio do Censo, serão usados.

Tem gente ilegalmente dentro e tem gente que tem direito que está fora. Prefiro esperar a conclusão desse trabalho. Será breve“, informou o ministro.

Mas, afinal, quem são os ilegais os quais Dias se refere? Ao que tudo indica, tratam-se de pessoas que fazem parte de um grupo familiar, mas que desmembraram a família e se inscreveram individualmente no CadÚnico a fim de que mais de uma pessoa do mesmo grupo seja beneficiado com a ajuda.

Essa é uma prática ilegal, e que já está sendo analisada pelo TCU (Tribunal de Contas da União), que observou o crescimento das famílias unipessoais no Auxílio Brasil. Foram de 8.929.623 de famílias compostas por uma única pessoa em novembro/2021 para 13.912.102 em outubro/2022.

Entre na comunidade do FDR e receba informações gratuitas no seu Whatsapp!

Lila CunhaLila Cunha
Autora é jornalista e atua na profissão desde 2013. Apaixonada pela área de comunicação e do universo audiovisual. Suas redes sociais são: @liilacunhaa, e-mail: lilacunha.fdr@gmail.com