Justiça penhora diversos bens de Emerson Fittipaldi por conta de dívida

Foi determinada pela Justiça de São Paulo, a penhora de troféus e carros de corrida do ex-piloto Emerson Fittipaldi, bicampeão mundial de Fórmula 1, por conta de uma dívida no valor estimado de R$416 mil.

publicidade

A penhora foi determinada pela juíza Fabiana Marini através de um processo movido pela empresa Sax Logística de Shows e Eventos em decorrência de uma competição promovida pelo piloto em 2012, a “6 horas de São Paulo”, uma prova de automobilismo do Campeonato Mundial de Marcas.

A empresa foi contratada naquele ano para efetuar o processo de liberação na alfândega dos carros e equipamentos que seriam necessários para a competição, incluindo o fretamento de contêineres e aviões.

Porém, os valores acordados não foram pagos totalmente e atualmente, considerando os juros e multa, a dívida está em R$416 mil.

publicidade

Por conta disso, a juíza decidiu penhorar os bens de Fittipaldi que estão em um imóvel localizado na avenida Rebouças, em São Paulo, sede da empresa de Fittipaldi que promoveu o evento, até que se alcance o valor da devido por ele.

Neste imóvel estão armazenados o carro Copersucar 1976, da Escuderia Fittipaldi, a única equipe originalmente brasileira da Fórmula 1, assim como o da Patrick Racing com o qual Emerson venceu as 500 milhas de Indianápolis no ano de 1989, entre outras coisas.

Através de um documento remetido à Justiça, a penhora dos bens foi contestada pelos advogados do piloto. Eles alegam que Fittipaldi não é o dono dos bens guardados no imóvel.

Segundo eles, estes itens são de propriedade do Museu Fittipaldi, fundado no ano de 2003 “para compor o patrimônio cultural e esportivo do país, de forma a fomentar a memória esportiva do automobilismo”. 

“O museu não é parte litigante do processo, e a penhora dos bens que lhe pertencem é irregular. Fittipaldi sequer é administrador do Museu Fittipaldi, sendo apenas membro presidente do conselho de deliberação”, afirmaram eles à Justiça.

Para a Sax Logística, estas alegações dos advogados do piloto se tratam de uma “nítida manobra para ocultar seus bens e fraudar credores”.

Clique aqui e aperte o botão "Seguir" para você ser o primeiro a receber as últimas informações sobre este assunto no seu celular!

publicidade

Sobre as acusações, Fittipaldi disse que o museu foi constituído muitos anos antes da assinatura do contrato com a empresa. O piloto  ainda pode recorrer da decisão.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.