Comprar um imóvel ou viver de aluguel? Entenda o que mais vale a pena em 2021

Adquirir a casa própria é um sonho tradicional do brasileiro. A maioria das famílias sonha em alcançar esse objetivo, porém, de acordo com pesquisas recentes, 80% dos adultos entre 25 e 39 anos preferem alugar a comprar imóveis. Mas afinal, o que vale mais a pena?

Comprar um imóvel ou viver de aluguel? Entenda o que mais vale a pena em 2021
Comprar um imóvel ou viver de aluguel? Entenda o que mais vale a pena em 2021 (Foto: Pixabay)

Existem muitos fatores a serem analisados nesta decisão tão complexa, tais como: se a compra será à vista ou financiada; quando a hipótese de compra é à vista, qual seria o custo de oportunidade de deixar o dinheiro investido e rendendo juros?. 

Quando a hipótese de compra é financiada, qual seria o custo tanto financeiro quanto emocional de se contrair uma dívida de tão longo prazo; se houve o apropriado alinhamento dos valores pessoais aos projetos financeiros; qual seria o potencial de valorização do imóvel a ser adquirido? E etc. 

Mas antes de tudo é importante saber que não há resposta certa. O dinheiro precisa agir como uma ferramenta a serviço da vida – e uma vida com qualidade – e não o contrário. Por isso, precisamos pensar de forma inteligente para conseguir fazer a melhor escolha. 

Antes de tudo é importante analisar a sua verdadeira motivação para decidir pela compra de um imóvel. O quanto esta motivação é verdadeiramente sua e não de outras pessoas e o que elas acham que é melhor para você.

Será que você deseja comprar um imóvel porque é isso que os seus pais acham certo? Ou será que por que todos os seus colegas de trabalho financiaram, você acha que deve financiar também?

O que é mais importante para você, segurança, pertencimento, liberdade? É fundamental identificar e questionar os seus valores pessoais e alinhá-los ao seu processo decisório. 

Como você se sentiria com uma dívida de 30 anos a pagar? Você tem o conhecimento necessário para investir bem?.

Você quer ser capaz de usar seu dinheiro para uma viagem internacional, por exemplo, ou prefere a capacidade de tomar as próprias decisões em uma obra em casa?.

Você prioriza a flexibilidade de sempre poder morar perto do trabalho, mesmo que mude para um novo emprego, até mesmo em uma nova cidade?.

Financiar um imóvel não é tão fácil quanto parece. Apesar de haver benefícios, esse processo exige um alto custo e não condiz com o poder de aquisição de grande parte dos brasileiros.

Além disso, devido às altas taxas de juros, em quase todos os casos você irá pagar mais do que o valor financiado. No entanto, se a decisão pelo aluguel também não for cautelosamente analisada, os prejuízos podem ser inevitáveis.

Ao considerar os ganhos e perdas financeiros, é imprescindível fazer contas. No caso do financiamento, sempre faça simulações e verifique o valor total a ser pago em relação ao valor atual de compra e venda. 

Caso você desejasse adquirir um imóvel que custasse R$ 300.000,00. Considerando que você financiasse 70%, seria necessário pagar R$ 90.000,00 de entrada e seriam financiados R$ 270.000,00.

Neste caso, seria necessário analisar o custo de oportunidade, ou seja, o que você deixaria de ganhar ao usar R$ 90.000,00 como parte do pagamento na compra. 

Quando falamos de renda fixa, usamos a taxa Selic como referência de retorno. Atualmente, ela está em 5,25% ao ano, ou 0,43% ao mês, aproximadamente.

Uma forma de conseguir um retorno melhor seria investir em ativos de renda variável. Mas, para isso, você precisa ter conhecimento o suficiente para não perder dinheiro.

Ao financiar R$ 270.000,00 a uma taxa de 7,5% ao ano, você pagaria R$ 585.677,25 ao final, ou seja, o valor dos juros seria maior que o valor do próprio financiamento. Sem considerar todos os outros custos como seguros, tarifas, impostos e emolumentos cartorários.

Quanto ao aluguel, para começar, você pode fazer uma conta simples, que é dividir o valor do aluguel pelo valor do imóvel. O resultado refletirá o quanto você está pagando de aluguel em relação ao que aquele imóvel de fato vale. 

Considerando que para alugar o imóvel do exemplo acima, que lembrando, vale R$ 300.000,00, você devesse pagar R$ 1.200,00. Neste caso, o resultado seria:

  • 1.200 / 300.000 = 0,004
  • 0,004 x 100 = 0,40% por mês

Assim, você sabe que está pagando, todos os meses, 0,40% sobre o valor do imóvel. Ou seja, esta é a sua taxa de retorno. Ao comparar este valor com a taxa de retorno dos seus investimentos, você saberá a opção que vale mais a pena em termos financeiros.

Se você conseguir mais do que 0,40% nos seus investimentos, então o aluguel valerá a pena. Se não, a compra do apartamento poderá ser mais vantajosa. Logo, comparando com a atual remuneração da taxa Selic (0,43% a.m), neste exemplo, seria mais vantajoso alugar.

No entanto, é preciso analisar também o potencial de valorização do imóvel, que apesar de ser muito difícil de precisar, é possível prevê-lo avaliando os seguintes fatores: boa localização; características do imóvel e seus diferenciais; situação legal; infraestrutura do entorno; segurança da localidade e do próprio imóvel. 

A valorização do imóvel faz toda a diferença nas contas e justifica a escolha pela compra, seja à vista ou financiada. Por outro lado, a desvalorização ou a não valorização já é motivo para que não se compre aquele imóvel, mesmo que a taxa de financiamento seja baixa.

Por fim, não tenha pressa ao decidir pela compra de um imóvel. Analise todas as variáveis com cautela e se ainda assim estiver inseguro, busque ajuda de um profissional para lhe ajudar nesta decisão.

Você gostou deste conteúdo? AVALIE:

Avaliação média: 5
Total de Votos: 2

Comprar um imóvel ou viver de aluguel? Entenda o que mais vale a pena em 2021

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Amanda Castro
Amanda Castro é graduada em Comunicação Social com habilitação em Jornalismo pela Universidade Católica de Pernambuco (UNICAP) e graduanda de Administração pela Secretaria de Educação e Esportes de Pernambuco (SEE). É responsável pela área de negócios, tráfego e otimização SEO do portal FDR. Além disso, atua como redatora do portal FDR e demais portais de notícias desde 2017, produzindo conteúdo sobre economia, finanças pessoais e programas sociais.