Petrobras: em meio à ‘confusão’, é hora de investir nas ações da empresa?

Os últimos dias foram bastante agitados para a Petrobras. Em meio a isso, as ações da estatal vêm passando por grande volatilidade na bolsa de valores. Assim, muitos investidores se perguntam se é hora de investir nas ações da Petrobras.

Petrobras: em meio à 'confusão', é hora de investir nas ações da empresa?
Petrobras: em meio à ‘confusão’, é hora de investir nas ações da empresa? (Imagem: Montagem/FDR)

Devido à defasagem do preço dos combustíveis, por conta do aumento do petróleo, a Petrobras já passava por questionamentos nas últimas semanas. O cenário também era difícil em meio às pressões sobre a política de preços da companhia.

Na última sexta-feira (17), a estatal anunciou um novo reajuste nos valores da gasolina e diesel. Isso fez com que políticos se pronunciassem contra a empresa. Logo após esse comunicado, o presidente Jair Bolsonaro criticou o comando da companhia.

Já nesta segunda-feira (20), a Petrobras informou que José Mauro Coelho pediu demissão do cargo de presidente da empresa. Como presidente interino, foi nomeado Fernando Borges. O possível substituto definitivo é Caio Paes de Andrade, secretário de Desburocratização do Ministério da Economia.

É hora de investir nas ações da Petrobras?

A XP segue com recomendação de compra para as ações da Petrobras. O preço-alvo é de R$ 47,30 para os ativos PETR4 na bolsa de valores brasileira.

O analista Andre Vidal compreende que aumentaram os riscos — tanto internamente (político) quanto internacionalmente (recessão mundial). Contudo, as análises de sensibilidade apontam que a estatal continua sendo uma aposta assimétrica.

Segundo Vidal, outro modo de observar isso é comparar a Petrobras com outras grandes companhias de petróleo e gás.

“A Petrobras se destaca como a major de O&G mais barata do mundo, negociando a 1,7 EV/EBITDA 2022. Por esses motivos, mantemos nossa recomendação de compra no nome”, afirma a casa.

Já a Eleven Financial tem recomendação neutra para os papéis PETR4, com preço-alvo de R$ 34. Os analistas ressaltam a continuidade da incerteza sobre os ativos da Petrobras.

Felipe Ruppenthal e Rodrigo Diniz alegam que a renúncia “acontece em um cenário de forte pressão do governo sobre a estatal, que se acentuou após o anúncio de reajuste de preços da gasolina e do diesel”.

Os analistas acreditam que “isso possa acelerar a troca do Conselho de Administração que está em processo”.

Eles ainda consideram “que ruídos de interferência governamental na estatal continuem prejudicando a performance da ação, juntamente com um cenário de muita incerteza sobre o grau de arrefecimento das principais economias mundiais, que está ocasionando a queda do preço do petróleo”.

A casa entende ser positiva a rápida nomeação de Fernando Borges como interino. Isso porque tira um pouco da incerteza. No entanto, há a avaliação que as ações da empresa seguirão sendo impactadas negativamente no curto prazo por conta da interferência do governo.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.