É o fim das criptomoedas? Ações de famosa exchange desabam; entenda

No primeiro trimestre, os volumes de negociação da Coinbase recuaram mais de 40%. Os ganhos foram abaixo do projetado, e existe uma previsão negativa futuramente. Ao mesmo passo, o mercado de criptomoedas vem passando por uma tendência baixista.

publicidade
É o fim das criptomoedas? Ações de famosa exchange desabam; entenda
É o fim das criptomoedas? Ações de famosa exchange desabam; entenda (Imagem: Montagem/FDR)

Após o fechamento, as ações da Coinbase despencaram mais de 10% nas negociações. A informação foi levantada pelo Financial Times, e apurada pelo Valor.

A queda aconteceu após a maior bolsa de moedas digitais dos Estados Unidos divulgar perdas líquidas de US$ 430 milhões. A quantia ficou bastante acima do previsto por analistas de Wall Street, em Nova York, de US$ 47 milhões.

publicidade

A receita — grandemente proveniente de taxas de negociação — diminuiu 35% na base anual, para US$ 1,2 bilhão. Os analistas previam que a queda seria de US$ 1,5 bilhão.

A Coinbase alega que os resultados adversos aconteceram por conta da tendência contínua de preços mais baixos de criptoativos. Outro fator citado foi a volatilidade que se iniciou no final do ano passado.

Mesmo reconhecendo o momento desfavorável para as criptomoedas, a empresa acredita que essas condições não são permanentes. A companhia destaca que segue focada no longo prazo.

Em relação ao trimestre anterior, os volumes de negociação despencaram 44%. Os usuários de transações mensais (que realizaram uma transação ativa ou passiva no mês passado) diminuíram 20% na base trimestral.

Apesar da performance negativa no trimestre, o executivo-chefe da Coinbase, Brian Armstrong, informou que a exchange tende a observar períodos de baixa como uma grande oportunidade, por ser “gananciosos quando os outros estão com medo”.

Criptomoedas vêm enfrentando tendência negativa

Em novembro do ano passado, o bitcoin registrou sua cotação máxima. Apesar disso, desde então, a principal criptomoeda desvalorizou mais da metade de seu valor.

publicidade

Essa queda ocorreu quando as elevações recentes das taxas de juros fizeram com que os investidores evitassem ativos mais arriscados dos mercados financeiros mundiais.

Ao mesmo passo que houve menor procura por investimentos de risco, o valor de mercado dos 500 principais ativos digitais reduziu pela metade em comparação ao recorde registrado em novembro de 2021, para US$ 1,6 trilhão. Esses dados são da CryptoCompare, e foram coletados pelo Financial Times.

publicidade

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.