‘Super quarta’ pode ser um divisor de água para os investidores; confira o que está em jogo

Pontos-chave
  • Super quarta acontece nesta semana
  • Na data, os bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos definem os juros
  • No Brasil, a dúvida é se o BC irá encerrar o ciclo de alta da Selic

Nesta primeira semana de maio, os investidores estão com as atenções voltadas para a Super Quarta. A data que será no dia 4, é quando os bancos centrais do Brasil e dos Estados Unidos definem os juros no mesmo dia.

Por aqui, é esperado que o Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central suba a taxa Selic em 1 ponto percentual, indo para 12,75% ao ano. Já nos EUA, é projetado que o FED (Federal Reserve) aumente a taxa básica de juros em 50 pontos percentuais, indo de 0,75% a 1%.

Estas decisões citadas são muito aguardadas pelos mercados. O futuro é que está em aberto. No Brasil, a dúvida é se o BC irá encerrar o ciclo de alta da Taxa Selic ou se irá manter. Já nos Estados Unidos, a questão é o quanto o banco central irá pisar no acelerador no ritmo de aumento.

Na manhã de hoje, 2, o índices de ações futuros de Nova York avançavam, depois do Nasdaq obter seu pior mês desde 2008, pressionado pela crescente inflação e juros e também pelos lucros abaixo do projetado das empresas de tecnologia. Após uma semana  de uma semana movimentada, a temporada de balanços nacionais e internacionais segue.

Já na Europa, as bolsas caíram na manhã desta segunda, depois da revelação que as vendas no varejo da Alemanha caíram 0,1% no mês de março em comparação com fevereiro.

Ao mesmo tempo, os investidores pelo mundo seguem acompanhando os desdobramentos do conflito entre Rússia e Ucrânia e seus reflexos geopolíticos. Os chefes da União Europeia devem discutir um embargo ao petróleo russo nos próximos dias.

Agenda 

A manhã ficou marcada pela divulgação de alguns importantes indicadores nacionais e também dos Estados Unidos.

Por aqui, o Banco Central comunicou, às 9h, o Índice de Atividade Econômica (IBC-Br), que é tido como a prévia do PIB (Produto Interno Bruto), o indicador mais importante da economia. 

De acordo com a mediana das expectativas de 23 consultorias e instituições financeiras procuradas pelo Valor Data, o IBC-Br subiu em fevereiro 0,4% em comparação com janeiro. Os intervalos das previsões estão entre zero a alta de 0,9%.

Importante ressaltar que o BC também divulgou o Boletim Focus, às 10 da manhã. O boletim contém as expectativas do mercado para os mais importantes indicadores da economia. Nesta terça, 3, os servidores do BC irão retornar com o movimento de greve, que pode prejudicar a divulgação de novos dados ao longo dos próximos dias.

A S&P Global também revelou, às 10h (de Brasília), o Índice de Gerentes de Compras (PMI, na sigla em inglês) do setor industrial do Brasil no último mês.

Balanços 

A semana começou com a divulgacão dos balanços do primeiro trimestre de Localiza, Copasa, Intelbras, Lojas Quero-Quero, Marcopolo, Neogrid e Pague Menos, logo depois  do fechamento do mercado.

Já no exterior, a fabricante de insumos agrícolas Mosaic revelará seus números depois  do fechamento do pregão.

Empresas

  • Aliansce Sonae e BR Malls , logo após quatro meses de grandes negociação, finalmente  chegaram a um acordo para a fusão que irá conceber a maior companhia de shoppings do Brasil e também da América Latina. A empresa surge já com 69 shoppings e R$ 38,5 bilhões em vendas.
  • Mesmo que o preço do barril de petróleo no mercado internacional tenha caído das máximas próximas ao patamar de US$140, cotação que aconteceu depois do início do conflito na Ucrânia no dia 25 fevereiro, o óleo diesel segue caro em todo mundo. Este cenário aumenta a pressão em cima da Petrobras para que a estatal reajuste nas refinarias os preços do derivado, que é usado no transporte de cargas no Brasil. De acordo com fontes procuradas pelo site Valor, a Petrobras poderá anunciar aumentos de preços “a qualquer momento”.
  • A Câmara dos Deputados acatou a alteração na legislação para reduzir a burocracia e dos custos enfrentados pela Embraer para que ela pudesse se beneficiar de um incentivo fiscal para exportação “fictícia” de aeronaves. A medida teve aceite do governo e, segundo articuladores, isto não deve trazer impacto fiscal.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.