Lula critica teto dos gastos e gera polêmica; entenda

Nesta terça, 16, o ex-presidente Lula defendeu novamente a revogação do teto de gastos em seu possível novo governo. O candidato a presidência nas eleições 2022 vem propondo a revisão das reformas que aconteceram durante o governo de Michel Temer. 

Lula falou novamente durante uma entrevista coletiva dada na manhã de ontem, sobre a criação de uma nova legislação trabalhista e afirmou que o teto de gastos só serve para os mais ricos. Como no programa da Federação PT,PCdoB e PV, Lula vem utilizando um tom forte à esquerda na pauta econômica.

“Nós não aceitamos a lei do teto de gastos. Ela foi feita para garantir que os banqueiros tivessem o deles no final do ano. Nós queremos garantir que o povo tenha o seu todo dia, todo mês, todo ano”, disse Lula a jornalistas da mídia independente e youtubers. 

A lei do teto de gastos foi sancionada em dezembro de 2016 e delimita que o governo só pode gastar o correspondente ao Orçamento do ano anterior, corrigido somente pela inflação.

De acordo com Lula, esta iniciativa prejudicou os investimentos sociais, a educação e a saúde. “Fazer política social não é gasto, é investimento”, criticou.

O ex-presidente falou ainda a respeito da nova proposta de legislação trabalhista, compromisso que foi citado na Federação do PT e feito por Lula durante um encontro com as grandes centrais sindicais do Brasil no inicio deste mês.

“Um grupo de empresários que, quando nós falamos em rever a reforma trabalhista, ficaram assustados. Mas nós temos que criar uma reforma trabalhista que seja adaptada à atual realidade do mundo de trabalho. […] A gente quer uma mudança na estrutura da relação patrão-empregado e capital-trabalho que seja levada em conta os direitos que a sociedade brasileira tem que ter: descanso semanal remunerado, saber quanto vai ganhar por mês, seguridade social. Tudo isso vamos ter de discutir”, disse Lula.

O documento da federação, entre outras coisas, propõe a “implementação de uma nova reforma trabalhista construída a partir da negociação tripartite, que proteja os trabalhadores, recomponha direitos, fortaleça a negociação coletiva e a representação sindical, com especial atenção aos trabalhadores informais e de aplicativos”.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Paulo Amorim
Paulo Henrique Oliveira é formado em Jornalismo pela Universidade Mogi das Cruzes e em Rádio e TV pela Universidade Bandeirante de São Paulo. Atua como redator do portal FDR, onde já cumula vasta experiência e pesquisas, produzindo matérias sobre economia, finanças e investimentos.