Tempos difíceis: Banco Mundial reduz crescimento do Brasil pela metade

O Banco Central diminuiu sua previsão para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil neste ano, de 1,4% para 0,7%. A estimativa faz parte do Relatório Semestral Região da América Latina e do Caribe, divulgado pela instituição nesta quinta-feira (7).

Tempos difíceis: Banco Mundial reduz crescimento do Brasil pela metade
Tempos difíceis: Banco Mundial reduz crescimento do Brasil pela metade (Imagem: Montagem/FDR)

Na lista de 28 países da região, a previsão de crescimento da atividade econômica brasileira é a segunda pior. O Brasil ficou na frente somente do Haiti, no qual o Banco Central prevê uma recessão de 0,4%. Não houve dados para a Venezuela.

A instituição também reduziu a perspectiva de crescimento para o PIB brasileiro no próximo ano. Para 2023, o órgão cortou as estimativas de 2,7% para 1,3%. Já para 2024, o órgão indicou, pela primeira vez, que o PIB deve chegar a 2%.

Análise da atividade econômica do Brasil

Em entrevista coletiva, o economista-chefe do Banco Mundial para a América Latina e Caribe, William Maloney, afirma que o Brasil foi uma das nações com mais dificuldades para se recuperar da pandemia de coronavírus. Isso aconteceu porque o país foi grandemente afetado pela doença.

O economista destacou que o Brasil importa um terço de seus fertilizantes da Rússia. Este é um fator que preocupa, pois a guerra na Ucrânia tende a cortar a remessa desses insumos. Diante deste cenário, a agropecuária local deve ser prejudicada — de forma a causar aumento nos preços.

Maloney também considera que, como resultado da guerra, a Embraer deixou de conceder assistência técnica e peças de reposição para o setor de avião da Rússia.

Sobre os reflexos que o câmbio pode ter sobre a economia da América Latina e Caribe neste ano, o economista entende que os bancos centrais da região têm aumentado as taxas de juros. O objetivo é de reduzir os impactos do ciclo de aumento dos juros nos Estados Unidos sobre as moedas da região.

No longo prazo, o economista alega que o Brasil é uma das nações, dentro da região, mais bem posicionados para acessar as vantagens de uma economia menos poluente — em segmentos como energia eólica e agricultura.

Apesar disso, Maloney entende que o governo deve se planejar para que a transação seja facilitada.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.