Greve no Tesouro: entenda reivindicações pedidas pelos servidores

Em assembleia realizada nesta terça-feira (29), o Sindicato Nacional dos Auditores e Técnicos Federais de Finanças e Controle (Unacon Sindical) decidiu que os servidores do Tesouro Nacional realizarão uma paralisação. A greve no Tesouro está prevista para ocorrer nas próximas sexta-feira (1º) e terça-feira (5).

De todos os participantes presentes na assembleia, 95% votaram pela paralisação. Na próxima reunião, a categoria conversará sobre a possibilidade de realizar uma greve por tempo indeterminado.

Reivindicação dos servidores para evitar greve no Tesouro Nacional

A grande demanda do grupo é um reajuste salarial de 21%. Este percentual seria equivalente ao Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulado desde janeiro de 2019.

Em comunicado, o sindicato informou que o grupo optou pela “intensificação da operação padrão”, quando os servidores reduzem o ritmo de atividade diária — para que sejam atendidas as demandas.

A entidade informa que a operação padrão já vem afetando as entregas do Tesouro Nacional, como a divulgação do Relatório Mensal da Dívida relativa a fevereiro. O documento estava previsto para ser publicado nesta terça, mas foi adiado para esta quarta-feira (30).

A entidade alega que, nesta semana, a mobilização afete a entrega do Relatório do Tesouro Nacional — que estava prevista para quinta-feira (31).

Além disso, o sindicato alega que, na última sexta-feira (25), a operação padrão provocou atraso no pagamento dos títulos vencidos do Tesouro Direto. Por conta disso, houve a abertura de diversos chamados na Subsecretaria da Dívida Pública.

Ao Estadão/Broadcast, o presidente da Unacon, Braúlio Santiago, declara que a chance de greve está no radar da categoria. Apesar disso, existe espaço para diálogo. Ele afirma que já se reuniu três vezes com o secretário do Tesouro, Paulo Valle, e com o ministro Wagner Rosário.

Conforme Santiago, a área técnica do governo declara que não existe espaço orçamentário para reajuste para nenhuma categoria. Apesar disso, ele declara que “não dá para aceitar que uma carreira descole das outras”.

O presidente destaca que a entidade busca evitar o desalinhamento salarial entre as carreiras do Executivo. Ele relata que caiu a despesa do governo com servidores em percentual do Produto Interno Bruto (PIB).

Diante do aumento das receitas previstas para o ano, Santiago alega que existe espaço para o reajuste dos servidores.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.