Crise no MEC: pastor lobista investiu R$ 450 mil para abrir duas empresas no mesmo dia

Atitudes ilegais, negligentes e desonrosas por parte de figuras públicas têm causado uma crise no MEC. Nesta semana, veio à tona a cobrança feita por um pastor que exigia pagamento em ouro para que liberasse verba ao Ministério da Educação (MEC). 

Agora, o mesmo pastor lobista investiu R$ 450 mil para abrir duas empresas no mesmo dia, mais precisamente, no dia 8 de março. Uma delas consiste em uma faculdade situada na cidade de Goiânia (GO), cujo aporte inicial foi de R $100 mil. 

A outra empresa foi registrada como uma editora, situada na cidade vizinha, Aparecida de Goiânia, com um capital inicial de R$ 350 mil. Lembrando que, foi divulgado pelo FDR há poucos dias, Gilmar Santos em parceria com o pastor Arilton Moura, solicitaram quantias em dinheiro e, até mesmo a compra de bíblias mediante a condição de agilizar repasses do MEC aos municípios. 

O Globo se adiantou se dirigindo aos endereços de ambas as empresas protocoladas na Junta Comercial de Goiás. Tanto a faculdade quanto a editora foram registradas em sedes da Assembleia de Deus Cristo Para Todos, igreja chefiada por Gilmar Santos e da qual Moura faz parte. Contudo, não há indícios nos locais de que eles possam servir para atividades além de cultos religiosos.

Em Goiânia, o tempo funciona em um prédio de três andares que está em obras, ainda na fase de concretagem das paredes. O templo central recebeu a visita do chefe do MEC, o ministro Milton Ribeiro no final do ano passado. Moradores das redondezas que também são frequentadores da igreja alegam que a obra teve início há três anos, mas em determinado momento precisou ser paralisada devido à falta de verba durante a pandemia. 

No ano passado, alguns vídeos foram compartilhados nas redes sociais, onde o pastor aparece pedindo dinheiro aos fiéis. Segundo ele, as doações seriam usadas na compra do material que faltava para concluir a construção do telhado. Na oportunidade, ele balança agressivamente alguns papeis do suposto orçamento das obras. 

Alguns destes fiéis informaram ao O Globo, que a estrutura em construção será a sede da Faculdade ITCT, Instituto Teológico Cristo para Todos. Por outro lado, a sede instalada em Aparecida de Goiânia é um pouco mais modesta. Porém, onde deveria ser uma editora, na verdade é um galpão identificado com o nome da igreja e uma foto do pastor lobista estampada na fachada. 

Segundo relatos dos prefeitos de Bonfinópolis (GO) e de Boa Esperança do Sul (SP), Kelton Pinheiro e Manoel de Souza, os pedidos de propina por parte do pastor lobista variavam entre R$ 15 mil a R$ 40 mil, além da compra de bíblias, evidenciando uma crise no MEC. Porém, Gilmar Santos emitiu uma nota nesta quarta-feira, 23, negando qualquer influência na pasta que pudesse desencadear a crise no MEC.

Em contrapartida, Milton Ribeiro, afirmou ainda em 2021, o envio de uma denúncia anônima a respeito de religiosos à Controladoria-Geral da União (CGU). Em nota, o órgão afirmou ter encontrado indícios de crimes de cobrança de propina para liberar recursos do MEC. Por outro lado, não informou sobre haver ou não irregularidades por parte dos agentes públicos. 

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Laura Alvarenga
Laura Alvarenga é graduada em Jornalismo pelo Centro Universitário do Triângulo em Uberlândia - MG. Iniciou a carreira na área de assessoria de comunicação, passou alguns anos trabalhando em pequenos jornais impressos locais e agora se empenha na carreira do jornalismo online através do portal FDR, onde pesquisa e produz conteúdo sobre economia, direitos sociais e finanças.