Novo ETF de criptomoedas do metaverso vai ser lançado no Brasil; saiba como investir

Na última quinta-feira (17), a casa de investimentos Investo abriu o período de reserva para a compra de um ETF de criptomoedas do metaverso. O NFTS11 é um fundo de índice que investe nos tokens do setor de mídia e entretenimento. A estreia na bolsa de valores brasileira deve ocorrer em 4 de abril.

Novo ETF de criptomoedas do metaverso vai ser lançado no Brasil; saiba como investir
Novo ETF de criptomoedas do metaverso vai ser lançado no Brasil; saiba como investir (Imagem: Montagem/FDR)

Os ETFs são fundos de investimentos, negociados em bolsa, que seguem a carteira de um indicado. A gestora independente tem especialistas nesses produtos. Esse é um ativo de alto risco.

No Brasil, o NFTS11 replica a performance do índica MVIS Crypto Media & Entertainment Leaders Index, administrado pela MV Index Solutions (MVIS).

Nos últimos anos, as criptomoedas chamaram bastante a atenção dos investidores. Atualmente, elas possibilitam que os usuários criem seus próprios mundos virtuais — e integrarem o futuro do metaverso.

Por traz deste cenário, estão os NFTs (tokens infungíveis, na sigla em inglês), que são itens únicos e exclusivos que garantem a posse para o detentor. Esse ativo pode desde um item cosmético ou um terreno, por exemplo.

O NFTS11 cobra taxa administração de 0,75% ao ano. A cota tem valor de R$ 100. O produto tem cobrança de Imposto de Renda sobre o ganho de capital na venda das cotas. Caso a operação seja de day trade (com compra e venda no mesmo dia), haverá alíquota de 20%.

O ativo da Investo, que está em período de reserva, deve continuar até o dia 29 de março. A solicitação pode ser realizada pelas Corretoras BTG, Modalmais, NuInvest e Vitreo. Logo após esse período, o investimento estará disponível na B3.

Como investir no novo ETF de criptomoedas

O público-alvo deste ETF são os investidores institucionais e pessoas físicas. Os interessados podem comprar o NFTS11 diretamente por meio de um Agente Autorizado (mercado primário) ou corretora (mercado secundário).

Caso prefira, o investidor pode usar o mercado primário para resgates e aplicações (integralizações). Nesta situação, a entrega ou resgate das cotas são feitas no modelo “In-Cash”. O lote mínimo é de 10 mil cotas.

A “cesta de ativos” precisa ser composta por pelo menos 95% da composição do índice, e no máximo 5% em dinheiro ou outros investimentos permitidos.
Os resgates e aplicações (integralização) pelo mercado primário ocorre diretamente com o Agente Autorizado.

Em qualquer um dos casos, o investidor precisa preencher o formulário de “Solicitação de Integralização/Resgate de cotista e declaração de Isenção”, e demais documentos necessários — para que o Administrador estabeleça os custos dos ativos a serem resgatados ou integralizados.

O formulário e demais documentos precisam ser entregues pelo Agente Autorizado ao Administrador em até 3 horas antes do fechamento do pregão na B3 do dia do pedido. Caso contrário, haverá cancelamento da solicitação.

Já no mercado secundário, há a negociação do ativo por intermédio da bolsa de valores. A B3 tem o horário de negociação das 10h às 17h.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.