Novo ETF possibilita investimentos em ‘fundos imobiliários’ dos EUA; confira

Nesta terça-feira (22), passaram a ser negociadas na B3 as cotas de um novo ETF de REITs (Real State), que aplicam no mercado imobiliário dos Estados Unidos. O ETF internacional, que tem como código de negociação URET11, é gerido pela XP.

Novo ETF possibilita investimentos em 'fundos imobiliários' dos EUA; confira
Novo ETF possibilita investimentos em ‘fundos imobiliários’ dos EUA; confira (Imagem: Montagem/FDR)

O fundo tem como índice de referência o FTSE Nareit Equity REITs Index. O índice replica a performance de companhias do setor Imobiliário norte-americano de diversos segmentos.

Por meio deste produto, o investidor brasileiro poderá realizar a diversificação regimental e de setor nos investimentos. As cotas do fundo serão negociadas a partir de R$ 10, com disponibilidade para todos os investidores — incluindo as pessoas físicas.

Este é o segundo ETF de Reits disponível na B3. A primeiro disponibilizado foi o ALUG11, gerido pela Investo, em outubro do ano passado. Com a oferta da URET11, a Bolsa de Valores brasileira passa a ter 64 ETFs de renda variável.

Por meio do novo ETF, o investidor poderá ter acesso a 158 companhias do setor imobiliário dos Estados Unidos. Estas empresas detêm mais de 500 mil propriedades. Ao todo, as companhias possuem um valor de mercado de US$ 1,485 trilhões.

Para replicar o índice, o URET11 aplicará parte do patrimônio em outro ETF listado na Bolsa de Valores de Nova York, o iShares Core U.S. REIT ETF (USRT).

O URET11 tem uma taxa de administração de 0,30% ao ano. Já o ETF iShares Core U.S. REIT ETF possui taxa de administração de 0,08% ao ano. Ao todo, há um custo de 0,38% em despesas pelo investimento.

Novo ETF possui uma cesta de milhares de propriedades

O novo ETF investirá somente em ativos de tijolo — REITs que possuam um imóvel físico dentro do portfólio.

Ao InfoMoney, o especialista de investimentos indexados e alternativos da XP Asset, Henrique Sana, afirma que o ETF não deve aplicar em ativos imobiliários financeiros ou CDOs (produtos de securitização de dívida), e nem em outros tipos de derivativos.

A cesta do índice possibilita acesso a 14 setores no segmento imobiliário. Com 16,37% de participação no índice, o de maior peso é o de imóveis residenciais.

Ainda há a possibilidade de encontrar REITs de infraestrutura, com 15,44% de peso na cesta de ativos. O segmento industrial, terceiro principal, possui 13% de peso.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.