Ninguém mais quer investir na Rússia: Bancos e gestoras globais se desfazem de ativos

Diante da invasão da Ucrânia pela Rússia e sanções de nações ocidentais, diversas instituições financeiras vêm suspendendo negócios no país liderado por Vladimir Putin. Dentro do possível, bancos e gestoras globais têm deixado de investir na Rússia.

Ninguém mais quer investir na Rússia: Bancos e gestoras globais se desfazem de ativos
Ninguém mais quer investir na Rússia: Bancos e gestoras globais se desfazem de ativos (Imagem: Montagem/FDR)

Na última quinta-feira (10), dois grandes bancos dos Estados Unidos, Goldman Sachs e JP Morgan Chase anunciaram saída da Rússia. No dia seguinte, o principal banco da Alemanha, o Deutsche Bank, tomou a mesma decisão.

Já nesta segunda-feira (14), o banco americano Citigroup informou que não buscará novos clientes no país. Além disso, a instituição declarou que planeja cortar a exposição à nação de Vladimir Putin.

Cabe destacar que o Citi é o banco dos EUA que tem mais exposição à Rússia — de aproximadamente US$ 10 bilhões. Sendo assim, a instituição tende a ser bastante afetada pela decisão de suspender negócios com o país.

Gestoras globais deixam de investir na Rússia

Desde 28 de fevereiro, a maior gestora de fundos global, a BlackRock, suspendeu a compra de papéis da Rússia. A companhia também declarou que vem solicitando aos formuladores de índices de mercado que retirem títulos e ações russos de seus indicadores.

Segundo o jornal Financial Times. A invasão da Ucrânia provocou perdas de US$ 17 bilhões à BlackRock. Até o fim de janeiro, os clientes da gestora tinham US$ 18,2 bilhões em ativos da Rússia.

O jornal britânico revelou que o fechamento dos mercados na Rússia e as sanções do Ocidente fizeram com que diversos papéis se tornassem “invendáveis. Diante disso, a gestora marcou os títulos com preço baixo. Isso fez com que a exposição à nação reduzisse para aproximadamente US$ 1 bilhão.

Após ordem do Banco Central da Rússia, a Bolsa de Valores de Moscou permanece fechada para negociações. A interrupção ocorre desde 25 de fevereiro — um dia após a invasão da Ucrânia.

As americanas Brandes Investment Partners e Fidelity Internacional decidiram colocar os papéis russos sob moratória. A britânica Abrdn informou que suspendeu a aquisição de títulos da Rússia — e também a diminuição de exposição à nação.

No começo de março, a Nordea Asset Management, com sede em Copenhague, comunicou que excluiria investimentos russos da carteira. Dentre estes, também incluem títulos do governo e de empresas.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Silvio Souza
Silvio Suehiro Souza é formado em Comunicação Social - Jornalismo pela Universidade de Mogi das Cruzes (UMC). Desde 2019 dedica-se à redação do portal FDR, onde tem acumulado experiência e vasto conhecimento na área ligada a economia, finanças e investimentos. Além disso, Silvio produz análises sobre produtos e serviços financeiros, sempre prezando pela imparcialidade e informações confiáveis.