Johnson&Johnson suspende produção da vacina da Janssen; motivos são econômicos

Empresa responsável pela fabricação de imunizantes contra a covid-19 suspende suas atividades. Nessa semana, começou a circular na imprensa nacional que a Johnson & Johnson, produtora da vacina Janssen, está paralisando a comercialização do medicamento. O motivo seriam questões econômicas. Entenda os detalhes, abaixo.

Há dois anos vivenciando a pandemia do novo coronavírus, o mundo ainda segue na luta para otimizar as campanhas de vacinação. No entanto, uma notícia pode impactar no andamento do cronograma de imunização. A Johnson & Johnson, responsável pela produção da Janssen, fechou as portas de sua fábrica.

A Janssen não será mais produzida?

Até o momento, o que se sabe é que a paralisação na produção do imunizante é uma medida temporária. Uma nova fábrica deverá passar a produzir novamente outros lotes de vacina ao longo dos próximos meses.

Há ainda informações sobre a produção de uma nova versão do medicamento que seja potencialmente mais lucrativa, estando em período de teste.

De acordo com uma apuração do jornal americano New York Times, a farmacêutica já conseguiu somar cerca de até 3,5 bilhões de dólares em vendas de sua vacina contra a Covid-19 em 2022.

Já em 2021, a marca contabilizou 2,39 bilhões de dólares em vendas da vacina contra a Covid, ficando abaixo de sua própria meta de 2,5 bilhões de dólares.

Pronunciamento da empresa

Jake Sargent, porta-voz da Johnson & Johnson, disse por e-mail ao The New York Times que a empresa está “focada em garantir que a vacina esteja disponível onde as pessoas precisam” e que sua rede global de produção “está trabalhando dia e noite” para ajudar a combater a pandemia.

O que dizem os especialistas

Dr. Ayoade Alakija, co-chefe do programa de distribuição de vacinas da União Africana, em entrevista ao jornal americano, explicou que não acha uma alternativa coerente suspender a produção dos imunizantes para atender aos interesses econômicos.

“Este não é o momento de mudar as linhas de produção do nada, quando a vida das pessoas em todo o mundo em desenvolvimento está em jogo”.

Até o momento não há previsão de retomada da distribuição por parte da empresa.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestra em ciências da linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo na mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.