Facebook perde usuários ativos pela primeira vez na história e valor das ações despencam

Pontos-chave
  • Meta revela que a receita do primeiro trimestre de 2022 ficará abaixo das expectativas dos analistas

O Facebook ainda é a maior rede social do mundo mas, durante a última semana, pela primeira vez em 18 anos, a rede social teve uma queda em seu número de usuários diários, o que trouxe como consequência uma baixa de aproximadamente 20% nas ações da Meta na Bolsa de Valores.

A perda de 500 mil usuários diários se estendeu à divisão de anúncios da plataforma, que foi afetada diretamente. A receita para a empresa em relação ao último trimestre diminuiu.

Para o CMO da Camelo Digital, Rafael Beraldi, esse acontecimento é associado diretamente ao desinteresse pelo Facebook, principalmente da geração Z, que tem utilizado outros apps para se divertir e até mesmo se comunicar com os amigos e conhecidos.

“As pessoas têm passado muito tempo em aplicativos como o TikTok, e o próprio Mark Zuckerberg reconhece isso, reforçando a importância do foco da empresa nos Reels do Instagram, vendo os possíveis benefícios que podem ser alcançados a longo prazo”, diz Beraldi.

A previsão da companhia é que o faturamento do primeiro trimestre de 2022 seja de, no máximo, US$ 29 bilhões. Enquanto analistas esperavam US$ 30,15 bilhões, segundo dados da Refinitiv.

Parte desse prejuízo está na divisão Reality Labs, responsável pelo Metaverso e por toda a operação de realidade aumentada e virtual da Meta. A expectativa é que a divisão continue gerando perdas durante todo o ano de 2022.

 

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Victor Barboza
Editor-chefe do portal de notícias FDR. É responsável por toda a apuração e compartilhamento de informações, sempre presando pela qualidade e independências das notícias veiculadas. Especialista em finanças. Possui MBA em Gestão de Negócios pela USP e Graduação em Gestão Financeira pela Estácio. Possui especializações e trabalhos acadêmicos nas áreas de educação financeira, investimentos, fintechs, gestão empresarial e psicologia econômica. É fundador da GFCriativa e Co-Fundador da Fincatch. Trabalhou com gestão financeira nas startups Tendere e Strategy Manager.