Governo estuda aumentar benefícios dos servidores, ao invés de salários

Sem possibilidade de aumentar o salário de seus servidores, Governo Federal busca alternativas para evitar greves. Fontes da administração pública informaram que os gestores estão trabalhando na possibilidade de ampliar os benefícios pagos aos seus funcionários. A medida deve amenizar as ameaças de greve. Entenda.

Há semanas, o Brasil vem acompanhando possível ameaças de paralização das atividades das instituições públicas federais. Policiais, servidores do Banco Central, entre outras classes, lutam pelo aumento salarial, mas deverão ter acesso somente a ampliação de seus benefícios.

Governo amplia abonos para servidores

Até o momento, há especulações de que a equipe econômica venha analisando a sugestão de aumentar os benefícios de algumas categorias. A proposta apresenta um custo inferior ao reajuste salarial, mas pode reduzir o clima de tensão entre os servidores e gestores.

Trata-se de uma espécie de acordo para tentar evitar a realização de greves, que deverão interferir na campanha eleitoral do presidente Jair Bolsonaro. Até o momento não se sabe o valor sugerido para os abonos.

O reajuste salarial, por sua vez, sairia caro para o Ministério da Economia. De acordo com os últimos cálculos divulgados pela gestão, a cada 1% acrescentado há um novo gasto de R$ 3 bilhões. No entanto, é válido ressaltar que atualmente o governo tem apenas R$ 1,7 bilhão para aumentos na sua folha de pagamentos.

O que dizem os representantes sindicais

Para quem vem lutando pela proposta de reajuste salarial, a alternativa do governo não parece trazer bons resultados.

“Temos que recompor as perdas inflacionárias, ao menos em parte, que já passam de 28% desde o último aumento”, disse o presidente do Fórum Nacional Permanente de Carreiras Típicas de Estado (Fonacate), Rudinei Marques, um dos líderes do movimento por atualização dos salários do funcionalismo.

Já Sérgio Ronaldo da Silva, coordenador do Fórum das Entidades Nacionais dos Servidores Públicos Federais (Fonasefe), afirma que o governo “está achando que está em um pesque pague”.

“Ele está jogando seu anzol em águas turvas, porque todo dia sai com uma ideia assim, testando o conjunto dos servidores pra ver qual é a onda em que o servidor vai embarcar com a sua prancha de surfe.”

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Eduarda Andrade
Maria Eduarda Andrade é mestra em ciências da linguagem pela Universidade Católica de Pernambuco, formada em Jornalismo na mesma instituição. Enquanto pesquisadora, atua na área de políticas públicas, economia criativa e linguística, com foco na Análise Crítica do Discurso. No mercado de trabalho, passou por veículo impresso, sendo repórter do Diario de Pernambuco, além de assessorar marcas nacionais como Devassa, Heineken, Algar Telecom e o Grupo Pão de Açúcar. Atualmente, dedica-se à redação do portal FDR, onde já acumula anos de experiência e pesquisas sobre economia popular e direitos sociais.