Auxílio Brasil: em mais de mil municípios, 75% dos brasileiros estão sem ajuda do governo

O governo federal anunciou o Auxílio Brasil como uma grande resposta ao problema da pobreza no país, com cobertura e valor maiores que o Bolsa Família. Com relação ao Bolsa Família, os principais objetivos foram alcançados, já que o número de beneficiários e o valor médio do benefício cresceram (por outro lado, há incertezas quanto ao futuro do programa, garantido apenas até o fim de 2022).

Porém, com a extinção do auxílio emergencial, uma grande massa de brasileiros ficou sem ajuda financeira do governo e teve sua renda diminuída drasticamente. Em 2020, esse programa atendeu cerca de 68 milhões de pessoas, número que diminuiu para 39 milhões em 2021. A imensa maioria deles não deve ter entrado no Auxílio Brasil.

Segundo levantamento da Folha de São Paulo, em mais de mil municípios, a queda no número de pessoas atendidas por benefícios federais supera 75% desde a criação do Auxílio Brasil.

Ou seja, nesses municípios, de cada 4 pessoas que recebiam auxílio emergencial ou Bolsa Família, apenas uma passou a receber o Auxílio Brasil e o restante ficou sem benefícios. E o vale-gás, que começa a ser pago amanhã, não deve mudar muito esse quadro.

A região com mais municípios nessa situação é a Sul. Nela, 564 municípios têm 75% ou mais de diminuição no número de beneficiários. Depois, vem a região Sudeste, com 356 localidades, e a região Centro-Oeste, com 92. As regiões Norte e Nordeste, que já possuíam um maior número de cadastrados no Bolsa Família, foram as menos impactadas.

O que diz o governo

Segundo o Ministério da Cidadania, não é correto comparar auxílio emergencial e Auxílio Brasil, pois são programas bem distintos, com objetivos e critérios diferentes. Enquanto o primeiro visava atender a situação de emergência provocada pela pandemia, o segundo visa resolver a questão da pobreza e extrema-pobreza numa perspectiva de longo prazo.

Impacto econômico do fim do auxílio emergencial

O fim do auxílio emergencial pode ter sido precoce, já que os indicadores econômicos, sobretudo o desemprego, ainda não retornaram ao nível pré-pandemia.

O impacto para a economia brasileira deve ser significativo, uma vez que o valor total destinado ao Auxílio Brasil (cerca de R$ 90 bilhões em 2022) é bem menor que o destinado ao auxílio emergencial (R$ 395 bilhões entre 2020 e 2021). Nos municípios em que haverá redução drástica do número de beneficiários, esse impacto deve ser maior.

MAIS LIDAS

×

Deixe as notícias mais recentes encontrarem você

Você pode ficar a par das melhores notícias financeiras e atualizado dos seus direitos com apenas uma coisa: o seu email!

Amaury Nogueira
Amaury da Silva Nogueira é bacharelando em Letras/Edição pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Apaixonado pelo universo da escrita, atua há dois anos como redator e realiza pesquisas sobre história da edição no Brasil. Além disso, atualmente pesquisa também sobre direitos e benefícios sociais para agregar conhecimento na redação do portal de notícias FDR.